No menu items!
27 C
Rio Branco
segunda-feira, setembro 28, 2020

Tião Viana prometeu mas não garantiu segurança nos hospitais

Últimas

Sertão acreano: seca castiga famílias da Floresta Estadual do Antimary, que caminham horas em busca de água

Centenas de famílias de extrativistas e pequenos produtores rurais que habitam a Floresta Estadual do Antimary estão vivendo sem água potável. Se obrigam a...

CPMF: o imposto defendido por FHC, Lula e Dilma, que pode ser ressuscitada por Bolsonaro

A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) é um dos impostos mais polêmicos desde a redemocratização. Criada em 8 de julho de 1993, no...

C. do Sul 116 anos: Gladson entrega Avenida Cultural com novo Teatro dos Náuas, ginásios poliesportivos e 20 ônibus escolares

Stalin Melo Educação, cultura e esporte, tudo no mesmo lugar. Foi exatamente isso o que o governador Gladson Cameli entregou na manhã desta segunda-feira, 28,...

E agora, Bittar? Uso do Fundeb para Renda Cidadã é mascarar teto de gastos públicos, diz ministro do TCU

O ministro do TCU Bruno Dantas criticou nesta segunda-feira a proposta apresentada pelo governo para financiar o Renda Brasil. Para ele, usar recursos do...

Showmícios em tempos de Covid e o recado a quem propaga Fake News

A Justiça Eleitoral não pretende expedir regras para o protocolo sanitário de comícios, afirmou a assessora especial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Roberta Gresta,...

O Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) denunciará ao Ministério Público Estadual (MPE) o governo do Estado que não atendeu as reivindicações de melhorias na segurança dos hospitais. Há dois anos a entidade cobra mais policiamento e vigilantes armados nas unidades de saúde.

Segundo o presidente do Sindmed, Ribamar Costa, os gestores sabem das falhas que acabam expondo servidores e pacientes. A entidade reivindica policiamento fixo em todos os hospitais, além da criação do controle de acesso às instituições, reprimindo os furtos recorrentes.
“O poder publico tem negligenciado a segurança dos médicos, servidores e pacientes e não tem dado atenção merecida a essas questões de violência que estão ocorrendo dentro das unidades de saúde, em que duas mortes já se consumaram, sendo uma no hospital de Sena Madureira e outra no hospital de Senador Guiomard”, afirmou o sindicalista.

O Sindmed participou de uma comissão que acabou sendo criada por várias entidades depois de um assalto realizado ao Hospital das Clínicas. Na época, sindicalistas e organizações sociais chegaram a fechar a BR-364 em protesto pela redução da quantidade de vigilantes. “Com a escalada da violência urbana em nosso Estado, o governo tem a obrigação de manter a proteção dos servidores nas unidades de saúde”, finalizou Ribamar Costa.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui