No menu items!
31 C
Rio Branco
domingo, outubro 25, 2020

Huerb autoriza colete, mas nega uso de arma. “Os dias são tensos”

Últimas

Justiça eleitoral de Cruzeiro do Sul, caça candidatura do vereador Romário Tavares (MDB), um dos mais fortes da chapa de Fagner Sales

Concluindo o 5º mandato de vereador seguidos, Romário Tavares foi enquadrado no crime de improbidade administrativa no período em que esteve como presidente da...

Carreirista, Roberto Duarte não decola e perde tempo atacando Socorro Neri

Depois que a prefeita Socorro Neri (PSB) ultrapassou os adversários na última pesquisa, o nível de ataques de alguns adversários vem aumentando contra a...

Jarbas Soster reúne milhares de apoiadores em arrastão no Calafate e carreata no Centro de Rio Branco

Na manhã deste sábado, 24, o candidato a prefeitura de Rio Branco, Jarbas Soster, reuniu centenas de pessoas em uma caminhada pelo bairro Calafate....

Gladson busca apoio do Exército para ofertar água potável em comunidades indígenas e ribeirinhas

Da Secom Os esforços do governador Gladson Cameli para melhorar a qualidade de vida da população acreana não param. Cumprindo agenda em Manaus (AM), nesta...

Polícia investiga prefeito do Acre e suas amantes, que são fantasmas e ostentam na Internet

Enquanto a maioria dos servidores da prefeitura de Xapuri trabalha jornadas de oito horas diárias para ganhar um salário mínimo, duas eventuais funcionárias comissionadas...

Vigilante agora usa colete à prova de balas, mas precisam de uma arma para proteger a si, aos funcionários, aos pacientes e ao patrimônio público

O acesso ao Centro Cirúrgico do Hospital de Urgência e Emergência (Huerb), pela chamada porta de baixo, ainda é intenso após a invasão que mandou para a ITU um vigilante, na semana passada. O trabalhador foi alvejado abaixo da costela e, após ser submetido a cirurgia, apresenta quadro clínico estável.

Insegurança

Pressões da sociedade, de parentes de pacientes e dos sindicatos não sensibilizaram a direção da unidade como se esperava. O governo autorizou o uso de coletes à prova de balas, mas os vigilantes que dão plantão ali permanecem desarmados.

Risco calculado

A direção do hospital alega que existe uma cláusula no contrato com a empresa que contrata os vigilantes, segundo a qual há risco de pacientes se apossarem da arma de fogo num eventual descuido. Um funcionário que pediu anonimato afirmou que a direção do Huerb sustenta o seguinte argumento: os vigilantes quase sempre são chamados na ala de pacientes com doenças mentais, havendo perigo iminente. Os vigilantes não falam abertamente sobre a insegurança no trabalho, mas admitem que o plantão quase sempre é tenso.
Coletes e armas são fornecidos apenas aos vigilantes que trabalham nas portarias da Emergência e Acolhimento. O vigia do portão que dá acesso ao necrotério também só usa a farda como instrumento de intimidação.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui