No menu items!
31 C
Rio Branco
quarta-feira, setembro 30, 2020

Sem a união das oposições, Gladson Cameli não será candidato. DEM é pivô da discórdia

Últimas

Menor contratado por empresa de Internet morre eletrocutado na BR 317

Vanderson de Assis, um jovem de 16 anos, morreu eletrocutado no início da tarde desta quarta feira na Comunidade Campi Novo, km 105 da BR...

Presidente Nicolau Júnior anuncia que emendas parlamentares serão liberadas a partir dessa semana

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (PP), informou durante sessão desta quarta-feira (30) que a partir dessa semana já...

Presidente do Sindicato das Olarias, ligado à Fieac, é denunciado por esmurrar a sogra

O empresário Márcio Valter Agiolfi, presidente do Sindicato de Olarias do Acre, foi denunciado pela promotora Joana D´Arc Dias Martins, por lesão corporal. A...

Porto Acre: com início das chuva, produtor rural faz apelo ao governo do estado

O produtor rural e atualmente candidato a vereador pelo município de Porto Acre, Jornalista Salomão Matos (MDB), fez um apelo na tarde desta segunda...

Professor Coelho, coordenador da campanha de Bocalom, nega que Bestene tenha atacado Gladson: “não vi isso”

O professor Coelho, coordenador da campanha de Tião Bocalom, candidato à Prefeitura de Rio Branco, deu um testemunho ao acjornal desmentindo que o deputado...

O senador Gladson Cameli deixou claro que não vai “perder tempo” disputando o Governo do Acre sem a união de todos os partidos da oposição. Cameli não concorda com a decisão do DEM de lançar uma candidatura alternativa. Na última semana, o acjornal.com noticiou, com exclusividade, a declaração do presidente estadual do Democratas, Tião Bocalom, para quem é preciso haver uma opção ao eleitor caso a operação Lava Jato surpreenda antes ou no decorrer da campanha eleitoral. “E se o Gladson cair na Lava Jato?”, indagou Bocalom (veja a reportagem aqui). A insatisfação do senador do PP foi demonstrada a assessores e dirigentes do partido. Filiados de peso ouvidos pela reportagem disseram que “a intransigência de alguns membros da oposição vai entregar o governo ao PT por mais quatro anos”. Ninguém da assessoria do senador foi localizado até o fechamento desta reportagem, na noite deste domingo.

Números

O dirigente democrata Frank Lima postou numa rede social o que chamou de “triagem políticas” com base na votação obtida pelas principais lideranças do DEM na atualidade somente na capital. O dirigente relatou a votação dos deputados federais Alan Rick (recém filiado ao DEM), Major Rocha, do PSDB, e do próprio Bocalom, 176.280 votos na corrida para o governo em 2014. Franck Lima é entusiasta de uma segunda candidatura da oposição e, para tanto, prometeu listar a “desenvoltura de alguns políticos na capital. “Mais fica bem claro que o Rocha, Alan e Bocalom têm peso na capital, no tocante a uma candidatura majoritária”, disse ele.

Chapa pronta

O DEM amadurece a cada dia o planejamento de lançar uma chapa com Alan Rick, Bocalom e Rocha, mas não fechou questão sobre qual dos três sairia para o governo.
“Estamos conversando com o povo. Isso é possível, sim. Por que não? “, disse o presidente do DEM.

 




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui