No menu items!
28 C
Rio Branco
sábado, setembro 26, 2020

Cheiro forte de maconha e som alto motivaram ação da PM no Cacimbão da Capoeira. Oficial nega violência

Últimas

Prepare-se: preço do arroz vai continuar subindo até março de 2021, diz presidente da Associação dos Supermercados do Acre

O empresário Aden Araújo fez uma previsão sobre os sucessivos reajuste no preço do arroz no Acre, na tarde desta sexta-feira. São projeções nada...

“Vi muitos abusos sexuais em grupos da Ayahuasca”, diz antropóloga

Carlos Minuano Colaboração para o TAB A cientista Bia Labate se diz uma vítima de condições desafiantes no Brasil. A antropóloga brasileira foi morar na Califórnia...

Quem atenta contra as normas de segurança alia-se à Covid no “ataque” à saúde pública e à Nação

Com mais de 105 mil mortes no total, cerca de mil óbitos e 45 mil novos casos por dia, a Covid-19 segue ameaçando de...

Decano do STF, Celso de Mello antecipa aposentadoria para outubro

O ministro Celso de Mello, que tinha aposentadoria agendada para novembro, comunicou à presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) que antecipará a data para...

PF incinera quase meia tonelada de drogas em Cruzeiro do Sul

A Polícia Federal em Cruzeiro do Sul/AC incinerou, ao final da tarde de quinta-feira (23/09/20), quase meia tonelada de drogas. O montante destruído é...

Ao menos três denúncias de populares através do 190 da Polícia Militar provocaram o deslocamento de viatura e um quantitativo razoável de policiais para encerrar uma gincana de poesias, no Cacimbão da Capoeira, no bairro do mesmo nome, na noite desta segunda-feira (26).

O major Russo, porta-voz da PM-Acre, disse que os moradores reclamavam de um cheiro “muito forte” de entorpecentes e som alto”. A última ligação para a polícia, segundo o Ciosp, foi às 23:45h. Havia no local cerca de 40 jovens. Um deles foi preso por ter chamado um militar de “P.  no C.”, configurando desacato à autoridade. O rapaz detido é professor, já foi liberado e deve assinar um termo de ajustamento de conduta.

Toda a operação da polícia foi gravada em vídeo pelos próprios jovens (veja aqui), que denunciaram ter havido “truculência”. Eles dizem na gravação que o espaço havia sido cedido pela prefeitura.  O oficial da PM disse que a questão não era essa, e sim a perturbação da ordem num horário em que as famílias já dormiam, havendo muitas crianças nas proximidades. Esse vídeo também será usado pela corporação para provar que os militares, “em nenhum momento, se exaltaram, apesar das provocações”. Segundo Russo, a guarnição agiu dentro da lei, e as imagem não mostram qualquer ato de violência.

Os jovens não foram revistados por que a PM estava em menor número. Na operação não foi apreendida nenhuma quantidade de entorpecente.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui