No menu items!
25 C
Rio Branco
sábado, setembro 26, 2020

Citado em delações da Odebrecht, Jorge Viana vai sabatinar sucessora de Janot

Últimas

Prepare-se: preço do arroz vai continuar subindo até março de 2021, diz presidente da Associação dos Supermercados do Acre

O empresário Aden Araújo fez uma previsão sobre os sucessivos reajuste no preço do arroz no Acre, na tarde desta sexta-feira. São projeções nada...

“Vi muitos abusos sexuais em grupos da Ayahuasca”, diz antropóloga

Carlos Minuano Colaboração para o TAB A cientista Bia Labate se diz uma vítima de condições desafiantes no Brasil. A antropóloga brasileira foi morar na Califórnia...

Quem atenta contra as normas de segurança alia-se à Covid no “ataque” à saúde pública e à Nação

Com mais de 105 mil mortes no total, cerca de mil óbitos e 45 mil novos casos por dia, a Covid-19 segue ameaçando de...

Decano do STF, Celso de Mello antecipa aposentadoria para outubro

O ministro Celso de Mello, que tinha aposentadoria agendada para novembro, comunicou à presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) que antecipará a data para...

PF incinera quase meia tonelada de drogas em Cruzeiro do Sul

A Polícia Federal em Cruzeiro do Sul/AC incinerou, ao final da tarde de quinta-feira (23/09/20), quase meia tonelada de drogas. O montante destruído é...

Raquel Dodge, contestant for the position, looks on during the last debate between candidates for the post of Attorney General in Brasilia, Brazil June 22, 2017. REUTERS/Ueslei Marcelino

Jorge Viana (PT), membro titular da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, é um dos 11 senadores respondendo inquéritos no STF que vão sabatinar a futura procuradora geral da República, Raquel Dodge. Viana foi citado na delação da Odebrecht. Ele e o irmão, governador do Acre, Tião Viana (PT), receberam R$ 2 milhões para a campanha de 2010, ao governo do Estado, sendo R$ 1,5 milhão pago via caixa dois, segundo os delatores. O petista disse que as doações foram legais.

Raquel Dodge será sucessora do atual procurador geral, Rodrigo Janot, e terá a funções de investigar pessoas com foro privilegiado, como os parlamentares. O próprio presidente Michel Temer, responsável pela indicação da procuradora, é alvo de denúncia por corrupção passiva. Ela foi indicada para o comando da Procuradoria-Geral da República (PGR), 19 estão enrolados na Justiça ou foram citados em investigações.  Ela conta com apoio de caciques do PMDB, como o ex-presidente José Sarney e o senador Renan Calheiros (AL). Nos outros partidos, também não há resistência à nomeação, apesar de a procuradora não ter sido a primeira da lista. Nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, o presidente da República tem indicado o nome com mais votos na ANP. Desta vez, contudo, o primeiro lugar ficou com o vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino. No processo que julgou a cassação da chapa Dilma-Temer, ele pediu a perda do mandato do peemedebista.

Com informações do Congresso em Foco

 




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui