No menu items!
28 C
Rio Branco
sábado, setembro 26, 2020

Ex-sócio do Grupo Recol faz acordo de R$ 500 mil na ação mais valiosa do Judiciário do AC

Últimas

Prepare-se: preço do arroz vai continuar subindo até março de 2021, diz presidente da Associação dos Supermercados do Acre

O empresário Aden Araújo fez uma previsão sobre os sucessivos reajuste no preço do arroz no Acre, na tarde desta sexta-feira. São projeções nada...

“Vi muitos abusos sexuais em grupos da Ayahuasca”, diz antropóloga

Carlos Minuano Colaboração para o TAB A cientista Bia Labate se diz uma vítima de condições desafiantes no Brasil. A antropóloga brasileira foi morar na Califórnia...

Quem atenta contra as normas de segurança alia-se à Covid no “ataque” à saúde pública e à Nação

Com mais de 105 mil mortes no total, cerca de mil óbitos e 45 mil novos casos por dia, a Covid-19 segue ameaçando de...

Decano do STF, Celso de Mello antecipa aposentadoria para outubro

O ministro Celso de Mello, que tinha aposentadoria agendada para novembro, comunicou à presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) que antecipará a data para...

PF incinera quase meia tonelada de drogas em Cruzeiro do Sul

A Polícia Federal em Cruzeiro do Sul/AC incinerou, ao final da tarde de quinta-feira (23/09/20), quase meia tonelada de drogas. O montante destruído é...

O desempregado Clealdon Matos Moura, ex-sócio do Grupo Recol, fez acordo de R$ 500 mil com a Holding que controla, no Acre, 11 unidades empresariais, abastece boa parte das farmácias do estado, de Rondônia e do Mato Grosso, é dona das concessionárias Kia, Wolksvagem e Yamaha, e detém nestas regiões a exclusividade para comercializar marcas de multinacionais como Nestlé e Jonhson&Jonhson.

Clealdon é tio dos atuais herdeiros do grupo. Ele sustentava que sua assinatura foi forjada numa alteração contratual e se dizia surpreso ao saber que suas quotas estavam transferidas para outro sócio do grupo.  Até o final do ano passado, quando o acordo foi firmado, esta era a maior ação em curso no Judiciário acreano, considerando os valores envolvidos. A fortuna em jogo foi estimada em R$ 1 bilhão, segundo a defesa.

O processo começou a correr em julho de 2012, na 3ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco, e a briga judicial teve repercussão nacional, com destaque na Folha de S. Paulo, em reportagem produzida no dia 10 de março de 2013 pelo jornalista Assem Neto, então correspondente do Portal Uol Notícias para o Acre e Rondônia.

A acusação, inicialmente, pediu a nulidade da alteração contratual supostamente falsificada em 1984, ocorrida um ano após a concretização da sociedade. Com o acordo, o processo fica extinto.

À época, o advogado Gilliard Nobre Rocha afirmou que não havia possibilidade de conciliação. “Tudo isso é totalmente infundado”, chegou a afirmar. Laudos técnicos e perícias da Polícia Federal indicaram que as assinaturas não eram autênticas, o que apressou a tramitação do processo.

A defesa ainda buscou produzir contraprovas, mas prevaleceu o entendimento entre as partes.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui