No menu items!
31 C
Rio Branco
sexta-feira, setembro 25, 2020

“Uma coisa horrorosa”, diz Vigilância Sanitária sobre a lavanderia interditada da Santa Casa. Roupas e lençóis da Unimed eram lavados com produto impróprio

Últimas

Prepare-se: preço do arroz vai continuar subindo até março de 2021, diz presidente da Associação dos Supermercados do Acre

O empresário Aden Araújo fez uma previsão sobre os sucessivos reajuste no preço do arroz no Acre, na tarde desta sexta-feira. São projeções nada...

“Vi muitos abusos sexuais em grupos da Ayahuasca”, diz antropóloga

Carlos Minuano Colaboração para o TAB A cientista Bia Labate se diz uma vítima de condições desafiantes no Brasil. A antropóloga brasileira foi morar na Califórnia...

Quem atenta contra as normas de segurança alia-se à Covid no “ataque” à saúde pública e à Nação

Com mais de 105 mil mortes no total, cerca de mil óbitos e 45 mil novos casos por dia, a Covid-19 segue ameaçando de...

Decano do STF, Celso de Mello antecipa aposentadoria para outubro

O ministro Celso de Mello, que tinha aposentadoria agendada para novembro, comunicou à presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) que antecipará a data para...

PF incinera quase meia tonelada de drogas em Cruzeiro do Sul

A Polícia Federal em Cruzeiro do Sul/AC incinerou, ao final da tarde de quinta-feira (23/09/20), quase meia tonelada de drogas. O montante destruído é...

O chefe da Vigilância Sanitária do Acre, José Teixeira Pinto, considerou “uma coisa horrorosa” o que os ficais viram na lavandeiria da Santa Casa de Misericórdia. O espaço foi interditado na tarde desta quarta-feira, por não atender à legislação sanitária. “Havia um palmo d´água”, disse ele, referindo-se ao solo alagado. “Toda a roupa hospitalar, inclusive lençóis e jalecos utilizados pelos trabalhadores (médicos e enfermeiros), era lavada com sabão doméstico, tipo omo. Esse tipo de produto é impróprio, pois não remove manchas de sangue e não elimina bactérias, vírus e outros vetores de contaminação”, detalhou. Deve ser usado um produto específico, vendido somente em farmácias e casas específicas”, concluiu. Na lavandeiria da Santa Casa era lavada, também, toda a roupa hospitalar da Unimed. A fiscalização encontrou “muitas peças jogadas no chão, em meio ao aguaceiro ou penduradas em equipamentos com ferrugem exposta”

Unimed cala

A administração da Unimed no Acre convocou reunião de emergência nesta quinta-feira. A reportagem foi orientada a buscar explicações junto ao Setor de Marketing e Divulgação. Uma atendente pediu que fossem formuladas as questões por e-mail, prometendo respondê-la “o quanto antes”. O e-mail foi enviado por volta de 11:30hs desta quinta. A Unimed não mandou respostas.

O centro cirúrgico e a Central de Esterilização da Santa Casa também foram interditadas “por  conter inconformidades”. Dezenas de fotografias ilustram um relatório produzido pelos fiscais sanitários. O material é público, mas a vigilância não forneceu á imprensa. José Teixeira pinto informou que já foi aberto um processo administrativo sanitário. A Santa Casa tem 30 dias para se ajustar ás exigências. Após isso, um parecer jurídico será apresentado com a indicação de multas, inclusive á Unimed. O provedor José Alex não foi localizado.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui