No menu items!
27 C
Rio Branco
segunda-feira, setembro 28, 2020

Partidos mudam de nome mas mantêm mesmos políticos (investigados e infiéis)

Últimas

Sertão acreano: seca castiga famílias da Floresta Estadual do Antimary, que caminham horas em busca de água

Centenas de famílias de extrativistas e pequenos produtores rurais que habitam a Floresta Estadual do Antimary estão vivendo sem água potável. Se obrigam a...

CPMF: o imposto defendido por FHC, Lula e Dilma, que pode ser ressuscitada por Bolsonaro

A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) é um dos impostos mais polêmicos desde a redemocratização. Criada em 8 de julho de 1993, no...

C. do Sul 116 anos: Gladson entrega Avenida Cultural com novo Teatro dos Náuas, ginásios poliesportivos e 20 ônibus escolares

Stalin Melo Educação, cultura e esporte, tudo no mesmo lugar. Foi exatamente isso o que o governador Gladson Cameli entregou na manhã desta segunda-feira, 28,...

E agora, Bittar? Uso do Fundeb para Renda Cidadã é mascarar teto de gastos públicos, diz ministro do TCU

O ministro do TCU Bruno Dantas criticou nesta segunda-feira a proposta apresentada pelo governo para financiar o Renda Brasil. Para ele, usar recursos do...

Showmícios em tempos de Covid e o recado a quem propaga Fake News

A Justiça Eleitoral não pretende expedir regras para o protocolo sanitário de comícios, afirmou a assessora especial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Roberta Gresta,...

Os partidos PTN e PTdoB decidiram mudar de nome para tentar melhorar o desempenho eleitoral. No entanto, os políticos seguem os mesmos. O PTN chama-se Podemos e o PTdoB será o Avante. Como destaca a reportagem do jornal O Globo, o novo nome não muda o histórico dos políticos tradicionais filiados aos partidos, entre eles estão parlamentares sob investigação e outros que têm o hábito de trocar de partidos.

As duas legendas, além de serem partidos pequenos, acreditam na necessidade de mudança para resgatar a confiança dos eleitores decepcionados com as práticas políticas. O Podemos tem como presidente a deputada Renata Abreu (SP) e o futuro Avante é liderado por Luís Tibé (PTdoB-MG).

Segundo O Globo, ambos veem com restrições a criação de uma cláusula de barreira para as próximas eleições. A regra obriga os partidos a conseguirem um percentual mínimo de votos válidos em um número mínimo de estados na disputa para a Câmara dos Deputados. Dessa forma, as legendas que não atingirem a meta ficariam sem acesso a recursos do fundo partidário e tempo de TV e rádio na propaganda eleitoral. A proposta em análise na Câmara prevê uma meta de 2% dos votos válidos em pelo menos 14 estados. E há pressão para reduzir a barreira para 1,5% dos votos válidos em nove estados.

A estratégia de mudar de nome ou evitar a palavra partido parece ser a melhor opção e não é uma novidade no Brasil. Em 2007 o PFL virou Democratas, e em 2015, a ex-senadora Marina Silva criou a Rede Sustentabilidade.

Com informações de O Globo




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui