No menu items!
27 C
Rio Branco
quinta-feira, outubro 1, 2020

Respeito à liberdade de imprensa: juíza nega liminar para remover série de reportagens do acjornal.com sobre corrupção no Grupo Recol

Últimas

Menor contratado por empresa de Internet morre eletrocutado na BR 317

Vanderson de Assis, um jovem de 16 anos, morreu eletrocutado no início da tarde desta quarta feira na Comunidade Campi Novo, km 105 da BR...

Presidente Nicolau Júnior anuncia que emendas parlamentares serão liberadas a partir dessa semana

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (PP), informou durante sessão desta quarta-feira (30) que a partir dessa semana já...

Presidente do Sindicato das Olarias, ligado à Fieac, é denunciado por esmurrar a sogra

O empresário Márcio Valter Agiolfi, presidente do Sindicato de Olarias do Acre, foi denunciado pela promotora Joana D´Arc Dias Martins, por lesão corporal. A...

Porto Acre: com início das chuva, produtor rural faz apelo ao governo do estado

O produtor rural e atualmente candidato a vereador pelo município de Porto Acre, Jornalista Salomão Matos (MDB), fez um apelo na tarde desta segunda...

Professor Coelho, coordenador da campanha de Bocalom, nega que Bestene tenha atacado Gladson: “não vi isso”

O professor Coelho, coordenador da campanha de Tião Bocalom, candidato à Prefeitura de Rio Branco, deu um testemunho ao acjornal desmentindo que o deputado...

Magistrada, que responde pela 5ª Vara Cível, diz que a liberdade de imprensa deve ser respeitada

A juíza da 5ª Vara Civel, Olívia Maria, negou liminar pretendida pelos advogados do Grupo Recol que obrigaria o acjornal.com a retirar do ar a série de reportagens sobre o desvio de patrimônio familiar em que o principal acusado, o empresário Marcello Moura, é reu. A magistrada desclassificou o argumento dos advogados de que as reportagens se valeram de documentos sigilosos. Para a juíza, a liberdade de imprensa deve prevalecer sempre.

Com exclusividade, noticiamos o desvio de quantias homéricas para a criação de empresas espelho, sem anuência de cinco dos nove herdeiros e sem que estes tenham participação nos lucros dos empreendimentos que não constam no espólio do magnata da comunicação do estado, Roberto Alves Moura, falecido em outubro de 2013. A batalha judicial, inaugurada a partir da descoberta de indícios de fraudes pela viúva e quatro filhas, pode ter novidades nos próximos dias, com o possível afastamento do controlador administrativo da Holding que agrega 11 empresas – entre supermercados, distribuidora de medicamentos, concessionárias de automóveis, de moto, rede de farmácias. Neste domingo, publicaremos notícia completa sobre a decisão da juíza contra a tentativa de cerceamento da imprensa livre.

Nota da redação

O acjornal.com havia esclarecido que as provas obtidas pela reportagem são públicas e as pesquisas que resultaram na produção de todo o material jornalístico se basearam no número do processo. Cremos que serão em vão as tentativas de intimidação, as manobras reiteradas para censurar, amordaçar – e até subornar –  aqueles que divergem do jornalismo convencional.  Já não adianta tentar dificultar o trabalho dos repórteres e desqualificar os críticos. Não com a visão moderna do Judiciário, segundo a qual é preciso pôr em seu devido lugar o censor de mentalidade esgazetada.

 

 

 




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui