No menu items!
31 C
Rio Branco
domingo, outubro 25, 2020

Marina Silva já se articula para eleição sem Lula

Últimas

Justiça eleitoral de Cruzeiro do Sul, caça candidatura do vereador Romário Tavares (MDB), um dos mais fortes da chapa de Fagner Sales

Concluindo o 5º mandato de vereador seguidos, Romário Tavares foi enquadrado no crime de improbidade administrativa no período em que esteve como presidente da...

Carreirista, Roberto Duarte não decola e perde tempo atacando Socorro Neri

Depois que a prefeita Socorro Neri (PSB) ultrapassou os adversários na última pesquisa, o nível de ataques de alguns adversários vem aumentando contra a...

Jarbas Soster reúne milhares de apoiadores em arrastão no Calafate e carreata no Centro de Rio Branco

Na manhã deste sábado, 24, o candidato a prefeitura de Rio Branco, Jarbas Soster, reuniu centenas de pessoas em uma caminhada pelo bairro Calafate....

Gladson busca apoio do Exército para ofertar água potável em comunidades indígenas e ribeirinhas

Da Secom Os esforços do governador Gladson Cameli para melhorar a qualidade de vida da população acreana não param. Cumprindo agenda em Manaus (AM), nesta...

Polícia investiga prefeito do Acre e suas amantes, que são fantasmas e ostentam na Internet

Enquanto a maioria dos servidores da prefeitura de Xapuri trabalha jornadas de oito horas diárias para ganhar um salário mínimo, duas eventuais funcionárias comissionadas...

De olho no eleitorado de Lula, Marina Silva já começou a mexer os pauzinhos em torno da eleição de 2018 tão logo saiu a sentença do caso triplex e o País passou a se questionar se a candidatura do petista será viável. O economista Eduardo Gianetti, um dos gurus de Marina, defendeu um cenário sem Lula em 2018 como se fosse a melhor opção para o País sair da crise política.

“É muito mais arejada para o país [a disputa ocorrer sem Lula]. Neste caso, haverá uma grande pulverização de candidaturas. Isso seria bom para o eleitorado, nos daria oportunidade de fugir de uma discussão burra e debater temas importantes. E muita gente iria se animar a concorrer”, disse.

A Folha aproveitou a deixa e perguntou se seria o caso de Joaquim Barbosa entrar na corrida pelo Palácio do Planalto, ao que Gianetti respondeu: “Como cidadão torço para que os dois, Marina e Joaquim, estejam juntos, só não sei em que formato, quem encabeçando chapa. Ambos são exemplos eloquentes de pessoas desfavorecidas que abriram portas por meio da educação.”

E continuou: “É um sinal oposto ao de Lula, que sempre passou a mensagem de que, se você for esperto, não precisa se educar. Que basta saber driblar. Isso não foi bom para o país.”

O economista projetou que o cenário com Lula em 2018 seria “envenenado” pela disputa entre o petismo e o anti-petismo, personalizado nas figuras de Jair Bolsonaro ou João Doria Junior.

Para Gianetti, contudo, o interessante é que, independente do mérito, a decisão sobre a viabilidade eleitoral de Lula seja dada em julgamento do caso triplex no TRF-4 antes de agosto de 2018. Depois disso, “é tarde”, disse.

“A campanha precisa começar com isso resolvido, com ou sem Lula habilitado, para desanuviar o ambiente. O país está numa encruzilhada crítica, vamos nos perder num labirinto se ficarmos sem essa resposta”, acrescentou.

“Espero que os magistrados tenham o bom senso cívico de que não é possível protelar esse julgamento”, comentou.

Gianetti ainda disse que Marina vai se cercar de nomes de peso e propôr, já na campanha, uma discussão sobre reformas política e previdenciária.

Fonte: Folha de S. paulo




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui