No menu items!
27 C
Rio Branco
quinta-feira, outubro 1, 2020

Estado reforça efetivo nas ruas e chefe de polícia diz que ataques eram esperados. Sábado teve dois homicídios até ás 21 horas

Últimas

Menor contratado por empresa de Internet morre eletrocutado na BR 317

Vanderson de Assis, um jovem de 16 anos, morreu eletrocutado no início da tarde desta quarta feira na Comunidade Campi Novo, km 105 da BR...

Presidente Nicolau Júnior anuncia que emendas parlamentares serão liberadas a partir dessa semana

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (PP), informou durante sessão desta quarta-feira (30) que a partir dessa semana já...

Presidente do Sindicato das Olarias, ligado à Fieac, é denunciado por esmurrar a sogra

O empresário Márcio Valter Agiolfi, presidente do Sindicato de Olarias do Acre, foi denunciado pela promotora Joana D´Arc Dias Martins, por lesão corporal. A...

Porto Acre: com início das chuva, produtor rural faz apelo ao governo do estado

O produtor rural e atualmente candidato a vereador pelo município de Porto Acre, Jornalista Salomão Matos (MDB), fez um apelo na tarde desta segunda...

Professor Coelho, coordenador da campanha de Bocalom, nega que Bestene tenha atacado Gladson: “não vi isso”

O professor Coelho, coordenador da campanha de Tião Bocalom, candidato à Prefeitura de Rio Branco, deu um testemunho ao acjornal desmentindo que o deputado...

O chefe de polícia civil do Acre, delegado Josemar Portes, disse que os ataques criminosos em Rio Branco, na noite deste sábado, não são ações coordenadas. “São atitudes isoladas, mas nós já estávamos preparados”, disse o delegado. A Segurança Pública reconhece serem retaliações de grupos criminosos ao fato de o governo ter cortado em 100% a comunicação por celulares nos presídios. Josemar não confirma ter havido 10 homicídios em 24 horas, como anunciado nas redes sociais. “Trabalhamos com a confirmação de duas mortes violentas neste sábado”, disse.  O chefe de polícia civil informou que o efetivo está reforçado nas ruas e a força será usada nos casos que houver necessidade. “o monitoramento é constante. Nunca paramos. Vivemos um momento difícil, mas o aparato de que dispomos está empenhado para manter a ordem pública”, concluiu.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui