No menu items!
25 C
Rio Branco
sábado, setembro 26, 2020

Menor, sobrinho de agepen, leva 3 tiros no Areal. Facção manda “espocar” cabeça de sindicalista, que tem proteção do estado

Últimas

Prepare-se: preço do arroz vai continuar subindo até março de 2021, diz presidente da Associação dos Supermercados do Acre

O empresário Aden Araújo fez uma previsão sobre os sucessivos reajuste no preço do arroz no Acre, na tarde desta sexta-feira. São projeções nada...

“Vi muitos abusos sexuais em grupos da Ayahuasca”, diz antropóloga

Carlos Minuano Colaboração para o TAB A cientista Bia Labate se diz uma vítima de condições desafiantes no Brasil. A antropóloga brasileira foi morar na Califórnia...

Quem atenta contra as normas de segurança alia-se à Covid no “ataque” à saúde pública e à Nação

Com mais de 105 mil mortes no total, cerca de mil óbitos e 45 mil novos casos por dia, a Covid-19 segue ameaçando de...

Decano do STF, Celso de Mello antecipa aposentadoria para outubro

O ministro Celso de Mello, que tinha aposentadoria agendada para novembro, comunicou à presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) que antecipará a data para...

PF incinera quase meia tonelada de drogas em Cruzeiro do Sul

A Polícia Federal em Cruzeiro do Sul/AC incinerou, ao final da tarde de quinta-feira (23/09/20), quase meia tonelada de drogas. O montante destruído é...

Janes está ameaçado. “Estou me cuidando”

O sobrinho de um agente penitenciário foi alvejado três vezes, no Bairro Areal, na noite deste sábado. A vítima foi levada ás pressas ao Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco. Por volta de 22 horas, a reportagem confirmou que o rapaz estava na sala de cirurgia, mas não há relatos sobre seu quadro clínico. A tentativa de homicídio é mais um capítulo da investida do crime organizado contra os agentes. O presidente da associação que representa a categoria, José Janes, é alvo de uma ameaça interceptada, feita num grupo de Whatsapp. “Nós temos que espocar a cabeça dele de tiro”, diz o áudio. “Um f… da p… daquele… ele tá é colaborando com o CV, aquele desgraçado (…) essa é só minha humilde opinião, entendeu?”.

O áudio seria de um preso do semi-aberto que mora no Bairro Mocinha Magalhães. A ameaça foi feita após uma entrevista concedida por José Jones numa TV local, em que ele menciona que cerca de 5 mil presos usam as redes sociais, dentro dos presídios, para se comunicarem com os “irmãos” que estão nas ruas. Ele avalia que as operadoras de telefonia móvel estavam obtendo um lucro inestimável com o crime.

Houve ameaça direta aos militares dos grupamentos do BOPE e da COE. O preso, autor do áudio, chama os policiais de “urubus desgraçados” e anuncia que haveria incêndios a prédios públicos e transportes coletivos. Na noite deste sábado, quatro ônibus foram incendiados.

José Jones falou à reportagem do acjornal na noite deste sábado. “Estou com escolta de minha confiança. Nunca durmo no mesmo lugar toda noite. Estou me cuidando e tenho a proteção do estado. Infelizmente, é coisa do nosso ofício”, lamentou o agepen.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui