Sindmed-AC alerta para o colapso da saúde com a demissão dos médicos do Pró-Saúde e da Anssau

Os diretores do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) se reuniram com a categoria e visitou unidades de saúde em Cruzeiro do Sul para debater os reflexos da demissão dos profissionais do Pró-Saúde e da Associação Nossa Senhora da Saúde (Anssau). A entidade alerta para o aumento do caos na saúde com a falta de trabalhadores. Os sindicalistas afirmam que já existe falta de médicos e a demissão de mais de 200 profissionais resultará em prejuízo para a população.

O presidente do Sindmed-AC, Ribamar Costa, lembrou que há anos a Maternidade de Cruzeiro do Sul vem funcionando com trabalhadores importados de Rio Branco, situação que vem se agravando a cada dia, podendo resultar em um caos ainda maior com a demissão de mais servidores. “Existem semanas em que os médicos de Rio Branco complementam a escala em quatro dos sete dias da semana, uma situação que fragiliza o sistema, porque o cancelamento de um voo ou o atraso de um trabalhador pode resultar em suspensão dos atendimentos”, explicou o sindicalista.
A falta de profissionais já é motivo para o prejuízo das atividades de todos os hospitais, mas os efeitos serão agravados no interior, como em Cruzeiro do Sul, no Hospital regional do Juruá e no Hospital Dermatológico.

Os representantes do Sindicato ainda verificaram reclamações na Maternidade, como a falta de profissional para a realização de ultrassonografia durante todos os turnos e a falta de planejamento por parte da direção que deixou inutilizado o cardiotocógrafo pela falta de papel para a impressão do exame dos batimentos cardíacos do feto e das contrações. “Todos os trabalhadores se queixaram que existe o serviço de ultrassonografia apenas no período da manhã, com isso, as grávidas de outros turnos podem ser prejudicadas. Ainda constatamos que o papel para o cardiotocógrafo foi comprado recentemente e que o aparelho estava parado, pois o papel que havia sido adquirido era maior que o modelo da máquina”, explicou o sindicalista.

O hospital dermatológico também apresentou falhas, como a falta de reformas e da falta de otimização para o aproveitamento do espaço. Apenas um médico também estava trabalhando no local, de manhã, de tarde e de noite, sem horário para descanso e extrapolando qualquer carga horária, prejudicando a saúde do trabalhador e podendo comprometer o atendimento. “As escalas não estão completas e o profissional fica obrigado a trabalhar, 24 horas, 48 horas ou 72 horas seguidas, o que é um risco para o trabalhador que está sendo tratado em condições análogas a escravidão”, protestou o sindicalista. O Sindmed reuniu a categoria para debater os problemas e se reunirá com a banca de advogados para adotar uma medida para a garantia do atendimento em saúde das unidades.

Levantamento

Em um levantamento realizado pelo Sindmed, todos os hospitais públicos do Vale do Juruá apresentaram falta crônica de médicos, ou seja, as escalas sempre apresentam a falta de profissionais. Na relação estão as unidades de saúde de Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Rodrigues Alves, Mâncio Lima e Cruzeiro do Sul, sendo que este último recebe os casos de média e alta complexidade de toda região inclusive dos municípios do Amazonas: Ipixuna, Envira, Guajará e Pauini.
Anssau
A Anssau é a ONG que administra o Hospital Regional do Juruá e que utiliza trabalhadores terceirizados para garantir a mão de obra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui