No menu items!
23.6 C
Rio Branco
sexta-feira, novembro 27, 2020

Advogada quer explicações sobre lotação de coronel que quer ser governador do Acre

Últimas

PSDB é acusado de usurpar o CNPJ de partido aliado na coligação pró Minoru Kinpara; entenda

O PSDB do Acre é acusado de usar indevidamente o CNPJ do Cidadania, partido aliado na coligação que tentou eleger o professor Minoru Kinpara...

Júri condena a 26 anos taxista que deixou namorada inválida, mais multa de R$ 100 mil

O Conselho de Sentença da 2ª Vara do Tribunal do Júri decidiu pela condenação do taxista Luiz Felipe Santos de Azevedo. O réu foi...

Internada, deputada é o 15ª caso de reinfecção por Covid no Acre investigado em laboratórios do Sul

Internada no hospital Santa Casa de Misericórdia em Rio Branco desde a última quarta-feira com quadro preocupante de Covid, a deputado Meire Sarafim (MDB)...

Rio Branco: faltando três dias para o 2º turno, eleitor já pode consultar seu local de votação

O eleitor de Rio Branco pode consultar o local onde deverá votar no dia 29 de novembro, data do segundo turno da eleição. O...

Começa o julgamento de taxista que tentou matar a ex-namorada; vítima ficou em estado vegetativo

Teve início as 8h40h da manhã desta quinta-feira, 26, o julgamento do taxista Luiz Felipe Santos de Azevedo, acusado pela tentativa de feminicidio contra...

A advogada Joana D´Arc Valente Santana, ativista de Direitos Humanos no Acre, pediu nesta sexta-feira explicações sobre a vida funcional do coronel Ulisses (sem partido), pré-candidato ao Governo do Estado. As explicações devem ser dada pelo comandante-geral da Polícia Militar, tenente coronel Kimpara. A advogada levanta suspeitas sobre a “assiduidade” do militar em suas funções de mantenedor da Segurança Pública, e cita as viagens feitas pelo pré-candidato ao interior do estado “em franca campanha eleitoral”.

D´Arc pede que sejam esclarecidas a situação funcional e o cargo em que Ulisses estaria lotado na corporação, bem como os fundamentos legais se um possível licenciamento do militar. E que a PMAC vem a público, ainda, para explicar a situação jurídica da Associação dos Oficiais da Polícia Militar e dos Bombeiros Militares (AOPMBC-AC), da qual Ulisses é membro.

“Causa estranheza o volume de viagens aos municípios do Acre, incompatíveis com a assiduidade de um agente público. É imperioso que coíba qualquer tentativa de burlar a lei eleitoral”, destaca a advogada no documento que chegou às mãos do comandante geral da PM. “Aquele que é agente público deve se licenciar para cumprir agenda de candidato, sob pena de causar prejuízo ao erário e ao contribuinte”, justifica o documento.

Joana lembra que é dever do comandante se valer dos princípios da transparência a fim de prestar os esclarecimentos solicitados de forma rápida, ou, na pior das hipóteses, conforme ditame legal, no prazo máximo de 20 dias.




- Advertisement -

Mais notícias

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui