Em novo áudio, PMDB diz estar contemplado com vaga de senador e Bittar admite que aceita Rocha como vice de Gladson. Flaviano e Valgner Sales também são gravados. Ouça

Em novo áudio, desta vez com depoimentos do deputado federal Flaviano Melo, do ex-deputado Márcio Bittar, e do ex-prefeito Vagner Sales, o PMDB admite que não haverá vitória da oposição sem Gladson Cameli.

Bittar, aliás, esclarece que não se opõe à indicação de nenhum nome para ser vice, nem mesmo ao de Major Rocha. Vagner Sales declara que o partido estava contemplado com a vaga de senador e que “o mais importante é vencer o governo”.

Flaviano Melo e chega a detalhar o sofrido passado nas mãos do PT, lembrando que, “se não for desta vez (ganhar o governo) a oposição pode dar adeus para sempre”. A cúpula do PMDB, nesta reunião, faz um engrandecimento ao nome do senador. Porém, a atitude dos peemedebistas, oito dias atrás, não é a mesma revelada nas últimas horas, nem mesmo na nota oficial, emitida na tarde deste sábado.

Na nota, Flaviano confirma o segundo racha com Cameli em menos de 15 dias, e passa a falsa idéia de ter obtido sucesso no esforço de unir todas as oposições – informação esta eivada de contradições.

O diálogo foi gravado em reunião dos partidos da oposição com o senador Cameli no escritório da missionária Antônia Lúcia (PP), na segunda-feira passada. Gladson abre a reunião fazendo um apelo a todos os partidos e deixa claro que sempre quis a unidade, inclusive das lideranças que apóiam a terceira via. Admite ter procurado Ulisses e chamou Rocha, de quem pediu a indicação de um nome tucano para compor a vice.

O senador, mais uma vez, implora a ajuda das legendas para que evitem conflito e rachas, bem como inflamações desnecessárias, acreditando que a população deve ser poupada desse tipo de vexame”.

Mas ele não foi ouvido.

Leia abaixo a nota do PMDB (deste sábado) e compare-a com o áudio exclusivo, mais abaixo, em que os dirigentes do PMDB aproveitam-se de um encontro fechado, sem a presença da imprensa, para reafirmar um apoio que nunca existiu.

NOTA PÚBLICA DO MDB

É inegável o forte apelo exercido nas forças de oposição pela ideia de unidade da candidatura ao governo do Acre.

Frente ao fato, o pré-candidato pelo PP, Senador Gladson Cameli, solicitou a ajuda do MDB para buscar esse objetivo.

Diante de tarefa tão importante, o MDB escalou suas lideranças mais relevantes, os Deputados Federais Flaviano Melo e Jéssica Sales, no ato representada por seu pai Vagner Sales, para enfrentarem esse desafio. Alguns membros da Executiva Estadual do Partido também auxiliaram no empreendimento.

Os contatos foram mantidos com o candidato Coronel Ulisses, sem partido, no sentido de unificar na mesma chapa o Senador Gladson Cameli, candidato a Governador, e o Coronel Ulisses, candidato a vice. As tratativas, acompanhadas meticulosamente pelo senador do PP, tiveram pleno êxito.

No dia 12 de março o Senador Gladson Cameli foi à residência do Coronel Ulisses e, diante de sua família e das lideranças do MDB, efetuou formalmente o convite. Ficou pactuado, ainda, que o convite público ao Coronel Ulisses seria feito no dia 15 do corrente mês, no Hotel Pinheiro, assegurada sua aceitação.

Todavia, sem qualquer comunicação prévia, o Senador Gladson Cameli desonrou o compromisso firmado pela unidade das oposições e adotou atitude diversa da pactuada sob seu próprio comando.

Diante desses fatos, o MDB do Acre comunica aos cidadãos acreanos seu afastamento da aliança com a pré-candidatura de Gladson Cameli.

Todas as nossas lideranças, Prefeitos, Vereadores e dirigentes partidários do MDB do Acre são agora chamadas para um fórum ampliado, na próxima sexta-feira, 23 de março, onde se discutidão os próximos passos do Partido.

O MDB reafirma, também, por derradeiro, que permanecerá no lugar político onde sempre esteve: contra o ideário da Frente Popular do Acre.

Comissão Executiva do MDB no Acre
Dep. Fed. Flaviano Melo
Presidente Estadual