Empresas de ônibus exigem passagem de R$ 4,55 em Rio Branco

0
189

Os empresários do transporte coletivo em Rio Branco conseguiram surpreender até mesmo o mais pessimista cidadão. Eles querem a passagem de ônibus no valor de R$ 4,55. Uma planilha de gastos foi apresentada na tarde desta quinta-feira, na sede do Sindicato das empresas do setor, na tentativa de convencer sobre os “elevados custos para a manutenção da frota”.

Os 12 conselheiros do Conselho Tarifario irão discutir a proposta durante quinze dias, por meio de uma câmara técnica com assento, sobretudo, do CREA. Fieac, FECEA e outras entidades. Houve uma insatisfação quase geral diante do “chororô” dos empresários, que alegam trabalhar no vermelho mas não dão transparências aos lucros.

Os empresários já começaram uma campanha de convencimento junto aos conselheiros. A sociedade espera não ser traída novamente pelas entidades que representam a maioria dos usuários de coletivos na cidade. Qualquer decisão não dependerá dos vereadores, que perderam o poder de opinar sobre o assunto.

“Não há clareza sobre quanto essas empresas lucram. Isso abre margem para muitas interpretações, dentre elas de que esse aumento solicitado é, na pior das hipóteses, um absurdo”, declarou o presidente da Umarb, Ozeas Silva. A entidade representa  as associações de moradores da capital e vota contra o reajuste.

A câmara técnica do conselho tarifário tem dois caminhos a seguir: ou acata o reajuste dos empresários ou apresenta uma proposta paralela. A votação ocorrerá dez dias após o conselho se reunir pela segunda vez. Ou seja, a nova tarifa de ônibus para Rio Branco será conhecida antes de terminar o mês de maio.

Após isso, a prefeita Socorro Neri vai virar o centro de todas as atenções. Ou ela acata o reajuste aprovado no conselho, ou simplesmente veta. E se houver veto, a prefeita terá que apresentar justificativas para não acatar o valor aprovado e a questão pode até ser decidida nos tribunais. A prefeita pode, através do município, subsidiar parte da tarifa, dependendo da saúde financeira da prefeitura.

 

Deixe uma resposta