A vida de Vanderson é rodeada de atividades atípicas. Ele é o único sensei ou mestre de aikido (arte marcial japonesa) no seu estado. Faz doutorado na Universidade Nacional de Rosário, em Buenos Aires, onde vai duas vezes por ano. E também é um apaixonado por… crochê!

“Estou aprendendo crochê. Passo muito tempo na aldeia sem energia elétrica, internet, nada. Para não ficar parado e me distrair, quis aprender a fazer nerdigurumi (bonequinhos de crochê). Virou vício”, conta o participante, que revela também estar pegando o jeito do ukulele (instrumento de cordas de origem havaiana): “Estou pegando a manhã. Na aldeia, eles perguntam: ‘que cavaquinho é esse?’”.

Criado por quatro mulheres, a mãe Nilza e as irmãs Vanderléia, Vênus e Vanda, o biólogo acredita ter a visão mais aberta para certas coisas. “Minha mãe era comerciante e passava o dia inteiro fora. Então, basicamente, minhas irmãs mais velhas fizeram a construção do que sou hoje. A gente sempre teve uma relação muito próxima, mas muito séria porque eram quatro mulheres criando um homem sozinho. Era diferente para elas, mas funcionou”, explica o brother, que afirma não ter sido mimado:

“Pelo contrário, como filho mais novo, eu era o empregado [risos]”.

O participante acredita que sua vivência na aldeia e a experiência no aikido podem ajudar muito no dia a dia do BBB19. “Para os índios, tudo é de todo mundo. Eles são muito práticos e sociáveis. E o aikido já me ajudou a vida inteira. A proposta é harmonia e equilíbrio. Você usa a energia do oponente contra ele. Você consegue ter uma visão ampla e observar as pessoas”, diz ele, que acrescenta:

“Sou bem sociável, paciente e evito conflito. Quando os encontro, tento resolver de forma pacífica. O problema é que quero resolver coisas alheias e acabo me colocando muito a frente. Sou teimoso, gosto das coisas do meu jeito. O que me tira do sério é grosseria, gente que aponta dedo”.

Deixe uma resposta