Empossado, Gladson Cameli convida o povo para governar o Acre, exalta democracia e pede proteção divina

0

O governador Gladson Cameli (PP) pediu proteção divina e disse que vai governar em respeito á democracia, com responsabilidade e “sem espaço para projetos sociais”. Cameli Exaltou as qualidades do povo acreano (solidário, trabalhador, ordeiro e esperançoso no amanhã) e afirmou que não espera “subserviência cega” dos políticos aliados. “Esses quatro anos que começam a partir de agora irão gravar a história se todos nós juntos fomos capazes de dar ao Acre o novo fôlego que ele necessita. Esse tempo julgará se estivemos a altura dos desafios e expectativas de quem depositou em nós a confiança de dias melhores”, disse.

Veja abaixo a íntegra do pronunciamento na sessão solene, nesta tarde, na Assembléia Legislativa, perante autoridades dos três poderes, familiares, imprensa e demais convidados.

 

Autoridades, senhoras e senhores,

Hoje estamos aqui para celebrar e renovar dois sentimentos: o primeiro deles é a confiança na democracia.
A democracia é o pilar que sustenta histórias, visões e sonhos diferentes, todos em equilíbrio na busca de soluções para o futuro do nosso povo.

O segundo sentimento é resultado do primeiro: responsabilidade. Carregamos nas costas a missão de corresponder aos anseios da população. Uma gente solidária, trabalhadora, ordeira e esperançosa no amanhã, que merece ter um futuro tão grande quanto as suas qualidades.

Minha presença aqui é mais que uma formalidade.
É um convite para a colaboração, para a discussão propositiva, para que possamos estabelecer uma relação de respeito e de efetividade. Sou um representante do povo dirigindo-me a vinte e quatro outros representantes. Trabalhamos, portanto, para a mesma e soberana autoridade, o nosso povo, e é para essa população que devemos dedicar os nossos esforços. Não há espaço para projetos pessoais.

Hoje, é importante destacar, não existem mais palanques.
Dos deputados que foram eleitos juntos à minha coligação, não espero subserviência cega.
Dos deputados que irão compor a oposição ao meu governo, não espero agressividade gratuita.
Peço, aos senhores, apenas uma postura justa, equilibrada e adequada, Não em relação a mim, mas ao poder que representamos e às pessoas por quem trabalhamos: a população do nosso estado.  Os problemas estão colocados no cotidiano das pessoas e é necessária uma ação urgente e enérgica para resolvê-los. O trabalho da Assembléia tem que ecoar nas cidades, nos ramais, nas ruas e nas casas de todo o estado.

Se mantivermos de modo claro que lutamos pelo mesmo ideal, ainda que discordemos em alguns pontos, mas mantenhamos abertos os canais de diálogo e negociação, posso garantir que nenhum dos senhores terá em mim a figura de um inimigo. Pelo contrário, manterei as portas abertas a cada ideia, iniciativa e reinvindicação em benefício da população. Porque não vejo em cada um dos senhores uma figura particular ou partidária. Vejo em cada um de vocês os rostos da nossa gente.

Esses quatro anos que começam a partir de agora irão gravar a história se todos nós juntos fomos capazes de dar ao Acre o novo fôlego que ele necessita. Esse tempo julgará se estivemos a altura dos desafios e expectativas de quem depositou em nós a confiança de dias melhores.

Senhores, teremos a partir de agora muitos momentos de decisões. Escolhas que nem sempre serão confortáveis. Mas que serão necessárias.
Porque o tempo exige de nós visão e coragem. Não apenas para fazer o correto nesta gestão, mas também para corrigir os desacertos e alinhar caminhos. Para atingir o futuro, não podemos abdicar do passado.

Meus amigos acreanos, dirijo-me ao encerramento do meu discurso compartilhando um princípio que adotei como verdade absoluta: a de que um estado não se mede pelos mandatos de seus representantes, mas pelo bem-estar de sua população. Não encontro felicidade maior em minha vida pública do que em constatar que, de alguma forma, a minha atuação ajudou a melhorar a vida das pessoas. A política pode e deve ser o instrumento de transformação social, de socorro aos necessitados e de apoio aos trabalhadores.

Esse foi um dos princípios que aprendi com meu avô Rezene de Souza Lima, que também exerceu cargo de deputado estadual, honrando em todo tempo a Deus, sua família e ao Acre.

Como parlamentar dedicado que fui durante minha carreira anterior a esse desafio, reconheço e valorizo a importância de cada um dos senhores. E reforço a minha

convocação a esta Casa: o de trabalharmos juntos, colocando o Acre e as pessoas em primeiro lugar!

Muito obrigado e que possamos continuar contando como sempre, com as bençãos e a proteção de Deus

Deixe uma resposta