Presa, deputada diz que imunidade foi violada, chama as mesmas testemunhas de Josa da Farmácia e juíza apressa oitiva

A deputada Doutora Juliana (PRB) tentou convencer a corregedora eleitoral, Maria Olívia Ribeiro, que as provas que resultaram em sua prisão por crime eleitoral “foram obtidas de forma ilícita”. A deputada também argumenta que não poderia ter sido presa, em razão do que seus advogados chamaram de “imunidade prisional”, pelo fato de a ré ser parlamentar – mesmo diante das fartas provas de desvio criminoso do fundo eleitoral para beneficiar a sua campanha. A quebra do sigilo bancário, alega Juliana, foi uma decisão arbitrária, sustentou a defesa da deputada.

A juíza não perdeu tempo com os argumentos da defesa. “Deixo para levar estas questões à Corte (tribunal), juntamente com o julgamento de mérito da ação. Portanto, não é o caso de antecipar para este momento processual o exame e as consequências da prisão que foi decretada à Requerida JULIANA RODRIGUES DE OLIVEIRA”, despachou a magistrada. Juliana foi presa por ordem do juiz da Nona Zona Eleitoral.

As testemunhas arroladas pelos réus serão ouvidas em dois dias (21 e 22 de março), na sede da 5 Vara Cível de Rio Branco, inclusive as do pastor Manuel Marcos, deputado federal eleito e, da mesma forma, preso na Operação Santinhos da Polícia Federal.

Causou surpresa à juíza o fato de a deputada Doutora Juliana ter listado como suas testemunhas as mesmas testemunhas arroladas pelo deputado reeleito Josa da Farmácia, que também responde por crime de abuso de poder econômico.

A juíza Maria Olívia mandou expedir carta de ordem para os seguintes juízos
eleitorais:
– Juízo Eleitoral da 4ª Zona para oitiva das testemunhas Francisco Souza
Cruz (Marechal Thaumaturgo) e José Gladson Souza Mota (Mâncio Lima);
– Juízo Eleitoral da 8ª Zona para oitiva das testemunhas Patrícia Andrade
Vitorino e Edvaldo da Costa Melo.

No caso da testemunha João Batista V. da Silva, residente no Município de
Porto Acre, com endereço indicado na Vila Caquetá, cuja distância da Capital é de cerca de 70 quilômetros, diz a juíza, “não há razão que justifique a expedição de Carta de Ordem para a 1ª zona, que tem sede em Rio Branco, razão por que será ouvida nesta Capital, juntamente com as demais testemunhas que aqui residem”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui