Gladson pede a Sérgio Moro instalação de centro de inteligência no Acre para fronteira com Peru e Bolívia

0

O governador Gladson Cameli se reuniu nesta terça-feira, 12, em Brasília, com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, para tratar da segurança na fronteira do Acre com Peru e Bolívia, além de discutir sobre a situação de violência que o estado vive.

Gladson Cameli pediu ao ministro uma atenção especial à área de fronteira do Acre, já que a região é aberta e com pouca estrutura de segurança pública, funcionando como um corredor para a entrada de drogas no país, o que colabora imensamente com o aumento da violência vivido no estado nos últimos anos.

O ministro Sérgio Moro revelou em primeira mão que tem planos de criar o Centro de Inteligência Integrada da Região Norte, baseado no modelo americano do Fusion Center, um centro de coleta, análise e disseminação de informações ligado ao Departamento de Segurança Interna (DHS), que atuariam no combate a criminalidade unificando os trabalhos de inteligência.

Ao saber da ideia do Centro, o governador do Acre pediu para que seja dada a oportunidade para que o Centro seja instalado no Acre, já que o estado é ponto da tríplice fronteira, uma posição estratégica para organizações criminosas.

“Tratamos do fortalecimento das nossas fronteiras, além do empenho na liberação de uma emenda de bancada para a nossa segurança pública no valor de R$ 40 milhões. Só num item dessa licitação, teremos a compra de 90 novas viaturas para as nossas polícias, fora outros equipamentos para a segurança da nossa população”, completou Gladson Cameli.

Também fizeram parte do encontro: Oscar Guedes, controlador-geral do Estado; Alysson Bestene, secretário de Saúde; Ricardo Brandão, subcomandante da Polícia Militar; a senadora Mailza Gomes; e os deputados federais Alan Rick, Vanda Milani, Mara Rocha e Manuel Marcos.

Aproveitando a visita, o ministro Sérgio Moro pediu apoio da bancada acreana na votação do pacote anticrime, que entre diversas medidas mira principalmente no combate a corrupção, crimes violentos e o crime organizado.

Deixe uma resposta