Internado há 30 dias: por falta de Eco e sem vaga na UTI, diabético que esperava amputar um dedo vai perder a perna

0
459

Um homem com histórico de diabetes e doença cardíaca, infartado há um ano, está internado no Huerb desde o dia 17 de fevereiro. Ele devia ter amputado um dedo necrosado. A indicação da cirurgia chegou ao conhecimento das autoridades após a internação, mas o procedimento, agendado, foi adiado várias vezes. A esposa, Vera Martins, informa que “não há vaga para agendar um ecocardiograma”, recomendado pelo médico como condição para a amputação. Também faltou vaga na UTI, embora trate-se de paciente grave. Os médicos atestam que será necessário amputar a perna acima do joelho e disseram á família que a demora provocou lesões vasculares e agravou o grau de diabetes no paciente. “Ele chora de dor e os medicamentos já não fazem efeito”, diz a esposa.

Familiares de Valdecir Martins dos Santos enviaram ao acjornal imagens da evolução da doença, em função do tempo sem a providência adequada. Eronilson Cordeiro, irmão do paciente, se viu obrigado a apelar para o whatsapp pessoal do secretário Álisson Bestene (Saúde), a quem implorou ajuda. Não houve respostas até a publicação desta reportagem. Martins está na Enfermaria C, leito 58.

“Fico até constrangido em trazer uma questão tão doméstica ao seu conhecimento, sabendo que o senhor tem pessoas ganhando muito bem pelo Estado, para resolver e dar respostas eficazes ao casos urgentes e graves”, diz o irmão do paciente na mensagem enviada ao secretário.

“É simplesmente um abuso a enganação e falta de sensibilidade dos responsáveis pela administração. Desde o diretor que se enclausura e não se deixa achar, até servidores(com raras exceções ), com vícios de maus costumes no atendimento e a farsa do tratamento igualitário e prioridade aos casos graves e urgentes, com risco de morte”, escreveu ele ao secretário.

“Para os senhores pode ser só mais um que está doente, mas para nós parentes e amigos é o membro de uma família muito querido, um pai de família e um trabalhador cumpridor de suas obrigações como cidadão. Apelamos A Vossa Senhoria, para que seja dado um basta nessa pouca vergonha, nesse desrespeito e desumanidade”, completou Eronilson.

Na noite deste sábado, a situação clínica de Valdecir era a mesma.

“Infelizmente, a exemplo dos demais agentes público dessa áreas envolvidos no caso, nenhuma resposta até agora. Só nos resta buscar o apoio do Ministério Público e da imprensa, para que possa confirmar o descalabro que aqui denuncio”, disse Eronilson.

 

Deixe uma resposta