No menu items!
31 C
Rio Branco
segunda-feira, outubro 19, 2020

Extravagante, chefe da Casa Civil põe secretária e mãe do governador como únicas “incaíveis”

Últimas

Lázaro Barbosa, advogado e jornalista, a opção para representar os seus direitos

Lázaro Barbosa tem 47 anos, dos quais 15 dedicados ao jornalismo e 10 dedicados à Advocacia. Na função de jornalista (ocupou função de destaque...

Se depender do apoio de Bolsonaro e Malafaia, Roberto Duarte e Antônia Lúcia já podem calafetar a balsa

É costume candidatos soltarem gravações com celebridades públicas para atrair votos. No caso do candidato a prefeito de Rio Branco pelo MDB, Roberto Duarte,...

Blog do Assem: Correinha na mira da caneta azul

O Correinha continua aprontando e acredita que a caneta azul secou. Talvez a reaproximação do governador e seu vice lhe deixa mais à vontade para...

Em Cruzeiro do Sul, Justiça Eleitoral nega candidatura do humorista “Neto Cabeção”

Francisco das Chagas Rosas Neto (Neto Cabeção), é uma figura bem-humorada e conhecida dos cruzeirenses. Filiado ao PDT, Neto Cabeção tentava uma vaga de...

Sargento Adonis visita povo Katukina e firma compromissos

O candidato pela coligação “A Verdadeira Mudança” (PSL/DEM), Sargento Adonis, visitou no final de semana a Terra Indígena (TI) Campinas, que fica às margens...

Para o chefe da Casa Civil, o estabanado Ribamar Trindade, apenas duas pessoas não irão “cair” no governo Gladson Cameli: a mãe do governador e a secretária Silvânia Pinheiro (Comunicação). A declaração, espalhafatosa, foi dada após o acjornal noticiar o afastamento da Pinheiro, com data retroativa a 25 de outubro, “até ulterior deliberação”. Foi infeliz o assessor palaciano por “grudar” ad eternum a secretária na cadeira 1 da Secom como se fosse uma imortal, insubstituível, e afrontar e desclassificar a conduta do próprio governador, para quem “ninguém está sujeito a se perpetuar em cargo público, especialmente em sua gestão”.

Em nota, o assessor do governador, jornalista Altino Machado, após consultar a secretária, disse que Pinheiro viajou para o Vaticano, onde encontraria o governador.

“Ela (secretária) teve que retornar antes de chegar lá, pois o governador desistira da viagem porque ainda estava na China. Consta “até ulterior deliberação” porque o governador não tinha a data exata do retorno. E, como todos sabemos, mudanças ocorreram na programação porque foram duas agendas”, explicou.

“A Casa Civil apresentou outro argumento: “Não passa de ajustes de viagens anteriores. Tem duas pessoas que não caem nesse governo, dona Linda, a mãe do governador, sua principal conselheira, que não recebe do Estado, claro, e a Silvânia Pinheiro, pela relação de confiança de longos anos”.

Nota da redação

Estranha que a secretária tenha embarcado para o Vaticano desacompanhada do governador, sendo avisada do cancelamento da agenda na Itália somente depois. Os argumentos apresentados pela Casa Civil são incoerentes e improváveis, uma vez que o objetivo de custear diárias internacionais seria garantir o registro político e jornalísticos da agenda governamental (informes que não se vê na mídia regional com a ênfase que a função exige. Ademais, a expressão “até ulterior deliberação” sugere que a decisão superior só será revista futuramente, se assim for conveniente para o dono da caneta azul.  




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui