No menu items!
26 C
Rio Branco
sábado, outubro 24, 2020

Povo quer Alessandra Marques chefe do Ministério Público do Acre

Últimas

Gladson busca apoio do Exército para ofertar água potável em comunidades indígenas e ribeirinhas

Da Secom Os esforços do governador Gladson Cameli para melhorar a qualidade de vida da população acreana não param. Cumprindo agenda em Manaus (AM), nesta...

Polícia investiga prefeito do Acre e suas amantes, que são fantasmas e ostentam na Internet

Enquanto a maioria dos servidores da prefeitura de Xapuri trabalha jornadas de oito horas diárias para ganhar um salário mínimo, duas eventuais funcionárias comissionadas...

Número de alunos entrando no ensino superior público caiu em 2019

O número de alunos entrando em universidades públicas em 2019 foi de 559 mil, uma queda de 3,7% em comparação à quantidade de estudantes...

STF: plenário vai julgar obrigatoriedade da vacina contra Covid-19

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou urgência na tramitação de ações ligadas à vacinação contra a Covid-19. Com isso, o magistrado...

Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da Coronavac

Após ser acusada pelo Instituto Butantan de retardar a fabricação da vacina da farmacêutica Sinovac, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, nesta sexta-feira...

Em tempos de credibilidade quase zero das instituições, é impossível não pautar as eleições para Procurador Geral do Ministério Público do acre. Cabe registro a simpatia natural alcançada pela candidatura da promotora de Defesa do Consumidor, Alessandra Marques, em especial nas redes sociais, onde respeitada membro do MP mantém ativo e sempre atualizado o seu perfil, ferramenta que usa em tom crítico para opinar sobre a conjuntura e seus atores.

Alessandra é linha dura, como deve ser os que condenam a improbidade, a corrupção. Se assume avessa ao desvio de conduta dos agentes públicos, mas se permite interagir com os cidadãos mais simples, quebrando esse paradigma do superpoder e inacessibilidade que marca a imagem de 8 em cada 10 figuras públicas. Há de se reconhecer o destemor de Alessandra, suas declarações incisivas, às vezes ferinas, e reflexões que obrigam pensar no lugar de ser pensado.

O Ministério Público (MP) precisa de um gestor empenhado em fiscalizar e proteger os princípios e interesses fundamentais da sociedade. Por isso, seu funcionamento é independente de qualquer dos três Poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário. O novo chefe do MP deve ter o perfil de quem garante imparcialidade plena, livre de intervenção de qualquer dos poderes, capaz de guardar a promoção da democracia, da cidadania e da justiça e da moralidade.

Nós não queremos um MPAC eventual, mas, sim, essencial.

Qualquer nome que não seja Alessandra Marques será respeitado, mas irá contrariar uma maioria absoluta que não enxerga na promotora o perfil do protecionismo, da omissão, da parcialidade e do compadrio.

Marques ganhou notoriedade nacional quando atuou e desmascarou o golpe da Telexfree, a poderosa pirâmide financeira que atuava em todo Brasil. A eleição para um dos cargos mais importantes da vida democrática dos poderes teve seu processo de escolha aberto na quarta-feira, 30. Os nomes dos oito membros do MPAC que disputarão a composição da lista tríplice para escolha do Procurador-Geral de Justiça, para o biênio 2020/2022, já foi divulgada e homologada pela comissão eleitoral do pleito. A eleição será realizada no dia 18 de novembro de 2019, na Sala das Sessões dos Órgãos Colegiados do MP, no período das 08h às 17h.

Além da atual procuradora-geral, Katia Rejane, disputam também os procuradores de justiça Carlos Maia, Cosmo Lima, Edmar Monteiro Filho e Rita de Cássia. Na classe os promotores, concorrem Ricardo Carvalho, Francisco José Maia Guedes e Alessandra Garcia Marques.
Depois de 20 anos de governos Petistas, as relações entre Palácio e as instituições de poder da magistratura levaram os acreanos a desacreditar naqueles que têm, por obrigação, zelar e proteger as leis.

O Procurador João Pires, presidente da comissão eleitoral, é quem tem a responsabilidade de garantir transparência e um processo dentro das regras deste importante poder. Em todo estado são 83 aptos a votar, sendo que cada um escolhe três nomes.

Ao final, definida a lista Tríplice vencedora, o governador Gladson Cameli, 15 dias depois, fará a escolha do novo chefe do MP.

 




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui