No menu items!
26 C
Rio Branco
sábado, outubro 24, 2020

Aleac e governo ampliam diálogo com sindicatos sobre reforma da Previdência

Últimas

Gladson busca apoio do Exército para ofertar água potável em comunidades indígenas e ribeirinhas

Da Secom Os esforços do governador Gladson Cameli para melhorar a qualidade de vida da população acreana não param. Cumprindo agenda em Manaus (AM), nesta...

Polícia investiga prefeito do Acre e suas amantes, que são fantasmas e ostentam na Internet

Enquanto a maioria dos servidores da prefeitura de Xapuri trabalha jornadas de oito horas diárias para ganhar um salário mínimo, duas eventuais funcionárias comissionadas...

Número de alunos entrando no ensino superior público caiu em 2019

O número de alunos entrando em universidades públicas em 2019 foi de 559 mil, uma queda de 3,7% em comparação à quantidade de estudantes...

STF: plenário vai julgar obrigatoriedade da vacina contra Covid-19

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou urgência na tramitação de ações ligadas à vacinação contra a Covid-19. Com isso, o magistrado...

Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da Coronavac

Após ser acusada pelo Instituto Butantan de retardar a fabricação da vacina da farmacêutica Sinovac, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, nesta sexta-feira...

A Reforma da Previdência Estadual está sendo amplamente debatida com os servidores públicos, entidades de classe e demais instituições. O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (PP), e o Líder do governo Gehlen Diniz (PP), solicitaram ao governador Gladson Cameli (PP) que seria melhor adiar a votação para que a matéria fosse devidamente discutida com os servidores do setor público.

“O governador Gladson entendeu que precisamos de mais tempo para dialogar com os sindicatos, com isso vou segurar a pauta e colocar em votação somente dia 26 de novembro. Estamos conversando individualmente com cada categoria. Queremos que todas as dúvidas sejam esclarecidas antes de iniciar e processo de votação”, disse Nicolau Júnior.

Ainda de acordo com o progressista, a reforma da Previdência é necessária levando em consideração a situação financeira do Estado.

“Sabemos que o déficit previdenciário continua crescendo, e isso é muito preocupante. Se essa reforma não for aprovada o aporte do tesouro estadual para arcar com o pagamento de aposentadorias e pensões será de quase R$ 1 bilhão até 2022. O estado pode quebrar”, alertou.

O presidente do Parlamento Acreano agradeceu os servidores que a partir do diálogo, compreenderam a importância da reforma. Frisou ainda que o momento pede a união de todos.

“Na última sexta-feira (8), tivemos reuniões muito produtivas com os sindicatos. Agradeço demais a todos que compreenderam a necessidade de aprovar esta reforma. Estamos conversando com os trabalhadores, explicando a eles que ela é fundamental para o futuro do Acre, que essas mudanças são de fato necessárias”, salientou.

Nicolau Júnior elogiou ainda a postura do governador em atender o pedido do Poder Legislativo para a ampliação do prazo de discussão da matéria. Após o amplo diálogo com os trabalhadores, a expectativa é que o texto seja votado pelo deputados estaduais no próximo dia 26 de novembro.

“Quero registrar a conduta democrática do governador em sempre prezar pelo diálogo. Neste sentido, nós entramos num consenso para que a reforma da previdência seja discutida pela Assembleia, governo do Estado, funcionários públicos, sindicatos e sociedade em geral. Acredito que desta forma vamos chegar ao ponto que seja melhor para todos”, enfatizou.

Para o líder do governo na Aleac, deputado Gehlen Diniz (PP), a proposta de reforma da previdência está sendo debatida de maneira democrática. O parlamentar salientou ainda que o governo atual está tentando corrigir um problema que foi criado pelos governos passados.

“O próprio governador foi sensível em atender esse pedido. É importante esclarecer que este não foi um problema criado durante a gestão Gladson Cameli, mas durante os governos passados que fizeram pouco caso para um assunto de tamanha responsabilidade. O que o atual governo está fazendo é corrigir esses problemas. Vamos conseguir fazer com que o rombo previdenciário pare de crescer e não comprometer mais ainda o orçamento estadual com o pagamento de aposentadorias e pensões”, pontuou.




- Advertisement -

Mais notícias