No menu items!
26 C
Rio Branco
sábado, outubro 24, 2020

A decisão de alongar o debate da Reforma da Previdência foi do Legislativo, diz Nicolau Júnior

Últimas

Gladson busca apoio do Exército para ofertar água potável em comunidades indígenas e ribeirinhas

Da Secom Os esforços do governador Gladson Cameli para melhorar a qualidade de vida da população acreana não param. Cumprindo agenda em Manaus (AM), nesta...

Polícia investiga prefeito do Acre e suas amantes, que são fantasmas e ostentam na Internet

Enquanto a maioria dos servidores da prefeitura de Xapuri trabalha jornadas de oito horas diárias para ganhar um salário mínimo, duas eventuais funcionárias comissionadas...

Número de alunos entrando no ensino superior público caiu em 2019

O número de alunos entrando em universidades públicas em 2019 foi de 559 mil, uma queda de 3,7% em comparação à quantidade de estudantes...

STF: plenário vai julgar obrigatoriedade da vacina contra Covid-19

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou urgência na tramitação de ações ligadas à vacinação contra a Covid-19. Com isso, o magistrado...

Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da Coronavac

Após ser acusada pelo Instituto Butantan de retardar a fabricação da vacina da farmacêutica Sinovac, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, nesta sexta-feira...

Durante coletiva de imprensa concedida na manhã desta quarta-feira (13), o presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), falou sobre os acordos que estão sendo feitos com os sindicatos a respeito da Reforma da Previdência Estadual. O parlamentar disse que a proposta está sendo discutida individualmente com cada categoria desde a semana passada.

“As reuniões com os trabalhadores estão a todo vapor. Todo o debate acerca da reforma da Previdência está sendo feito com muita responsabilidade. Estamos colhendo as propostas dos trabalhadores e também apresentando emendas com o intuito de melhorar o texto original. Tenho certeza de que faremos os ajustes necessários para garantir os direitos dos servidores”, disse.

O progressista ressaltou que a decisão de alongar o debate da proposta foi do Poder Legislativo. “A decisão de adiar a votação da reforma da Previdência para o dia 26 foi nossa, claro que nós comunicamos o governador, entramos num consenso. Nós precisávamos de mais tempo para discutir a matéria com os sindicatos, para fazer as mudanças necessárias. Por isso pedimos mais tempo”, enfatizou.

O deputado lamentou ainda a postura de algumas categorias que segundo ele, insistem em ‘atropelar’ a discussão do projeto. Lembrou também que o Legislativo é um poder independente e que não pode sofrer interferência do Estado.

“Todo o debate sobre essa proposta está sendo feito nesta casa, junto com os trabalhadores, deputados, e o líder do governo. Mas, tem sindicato que insiste em atropelar o debate, o que me deixa muito triste. Essa casa é um poder independente e não pode jamais sofrer interferência do Estado, peço mais respeito com relação a isso. O projeto da Reforma da Previdência ficará nesta casa até o dia 26, se o governo quiser retirá-lo daqui depois desta data, isso é uma decisão do Executivo. Enquanto a proposta estiver aqui o debate com as categorias continuará fluindo”, salientou.

Para o líder do governo no parlamento acreano, deputado Gehlen Diniz (PP), a reforma se faz necessária devido ao rombo mensal na Previdência de R$ 50 milhões. “O governador Gladson Cameli resolveu trilhar o caminho da responsabilidade, do compromisso com o povo do Acre. A previdência tem um rombo mensal de R$ 50 milhões, até o final do ano são R$ 600 milhões. Se essa reforma não acontecer, esse rombo vai explodir chegando a R$ 1 bilhão. Com esse valor, pagando os pensionistas e aposentados não sobrará recursos para Saúde, Segurança e Educação”, pontuou.

O parlamentar alertou para as notícias falsas que de acordo com ele, estão sendo divulgadas sobre a Reforma da Previdência. “Nós temos que combater essas notícias mentirosas. As redes sociais estão cheias de fake News sobre a reforma. Estão dizendo que governo vai poder baixar o salário do servidor, isso é mentira. Que o governo vai poder demitir quando quiser, isso também é mentira”, garantiu Gehlen.

O líder do governo assegurou ainda que os trabalhadores que estão na ativa não irão perder a sexta parte e nem a licença prêmio. “Isso é uma garantia nossa, do nosso governo. Nenhum desses benefícios serão atingidos, nem o auxílio funeral, nós estamos apenas discutindo um limite para isso. O debate com as categorias continua, nós não furtamos em receber nenhum sindicato, estamos dialogando com todos. Não fomos nós que criamos esse problema, mas temos que ser responsáveis e enfrentá-lo com dignidade e honestidade, não com demagogia como vejo alguns políticos fazendo por aí, tentando colher frutos eleitoreiros em cima de um problema que afeta o trabalhador. Nós iremos fazer essa reforma, mas, iremos minorar os efeitos maléficos para os servidores”, salientou.

Texto: Mircléia Magalhães

Agência Aleac

 




- Advertisement -

Mais notícias