No menu items!
32 C
Rio Branco
segunda-feira, outubro 19, 2020

População de cães vadios aumenta em Rio Branco

Últimas

Gladson Cameli amplia relação com povos indígenas em visita à Aldeia Sagrada Yawanawá

Com o propósito de ampliar o diálogo com as comunidades indígenas e oferecer benefícios da sua gestão, o governador Gladson Cameli visitou, no último...

Lázaro Barbosa, advogado e jornalista, a opção para representar os seus direitos

Lázaro Barbosa tem 47 anos, dos quais 15 dedicados ao jornalismo e 10 dedicados à Advocacia. Na função de jornalista (ocupou função de destaque...

Se depender do apoio de Bolsonaro e Malafaia, Roberto Duarte e Antônia Lúcia já podem calafetar a balsa

É costume candidatos soltarem gravações com celebridades públicas para atrair votos. No caso do candidato a prefeito de Rio Branco pelo MDB, Roberto Duarte,...

Blog do Assem: Correinha na mira da caneta azul

O Correinha continua aprontando e acredita que a caneta azul secou. Talvez a reaproximação do governador e seu vice lhe deixa mais à vontade para...

Em Cruzeiro do Sul, Justiça Eleitoral nega candidatura do humorista “Neto Cabeção”

Francisco das Chagas Rosas Neto (Neto Cabeção), é uma figura bem-humorada e conhecida dos cruzeirenses. Filiado ao PDT, Neto Cabeção tentava uma vaga de...

Eles estão por todos os lugares de Rio Branco revirando o lixo, disputando espaço com os carros no meio das ruas, nas portas de restaurantes, nas calçadas e entre as pessoas em locais públicos.

Alguns com aparência até saudável, já outros são o “retrato” vivo do maltrato e do abandono.

“Eu tenho medo que eles estejam infectados com algum tipo de doença e transmitam para a gente”, diz dona Maria Rosangela Hebraim, moradora do Bairro Wanderlei Dantas.

Na parte alta da capital acreana,, onde reside dona Rosângela Hebraim, os cachorros vadios são vistos aos bandos perambulando pelo meio da rua.

Na semana passada, no bairro Tancredo Neves, um garoto de 11 anos foi atacado por um cachorro faminto por causa de um espetinho de churrasco que ele trazia na mão.

O menino foi socorrido por um rapaz que passava pelo local no momento e afastou o animal com um pedaço de pau.

Apesar do susto, a vítima sofreu, somente, pequenos arranhões no braço direito. Mesmo assim a família achou melhor levá-lo a uma farmácia.

A diretora do Centro de controle de zoonoses, Chayana Fernandes, alega não ter tomado conhecimento desse fato.

A médica veterinária, responsável pelo órgão municipal que retira os cachorros das ruas, disse também ao acjornal que não esta tendo condições para manter o calendário de captura dos animais continuamente todos os dias da semana.

” Quando nos estamos com o nosso canil lotado a gente suspende a captura de novos animais na rua”, explica Chayana Fernandes.

A capacidade de abrigo do canil do Centro Municipal de controle de zoonoses é de apenas 70 animais entre cães e gatos.

Quando ele está superlotado, o centro atende apenas aquelas solicitações extremas de situações insuportáveis de cachorro ou gatos soltos na rua.

No caso da parte alta de Rio Branco, citada nessa reportagem, a diretoria do Centro de controle de zoonoses alega que ainda não havia recebido nenhuma reclamação sobre a população canina perambulando pelas ruas da região.




- Advertisement -

Mais notícias