No menu items!
30 C
Rio Branco
quarta-feira, outubro 21, 2020

“Uma pessoa que vive com HIV é uma despesa para todos do Brasil”

Últimas

Caso Jonhliane: Ícaro e Alan viram réus, irão a júri popular e podem pegar até 30 anos cada

O fisioterapeuta Ícaro José da Silva Pinto e o estudante Araújo de Lima passaram da condição de acusados para réus no processo que apura...

Médico diz pra Rocha pedir pra “cagar”, renunciar e largar os privilégios do governo. “Quer enganar a quem”?

O médico Luciano Carioca perdeu a paciência com o vice-governador Major Rocha. Ele se sentiu incomodado com os ataques do militar ao governo e...

Coação e constrangimento: Estação Vip penaliza vigilantes e ameaça demitir quem não votar no candidato do coronel Ulisses

Os 250 vigilantes que trabalham na Estação Vip estão intimados a votar no instrutor de tiros Júlio Veras, candidato a vereador da capital. A...

Cruzeiro do Sul: sargento Adonis assume compromisso com taxistas

O candidato pela coligação “A Verdadeira Mudança”, Sargento Adonis, reuniu-se com taxistas na sede do sindicato, no Bairro da Baixa, na noite desta terça-feira...

Bolsonaro, Ciro Gomes, Dória e Lula apadrinham campanhas Brasil afora, mas nenhum deles vem ao Acre

O Blog do Assem apurou que os candidatos Bocalom (PP), Minoru Kinpara (PSDB) e Roberto Duarte (MDB) tentam em vão o apoio presencial de...

O presidente Jair Bolsonaro resolveu se manifestar sobre a campanha do governo que incentiva a abstinência sexual como prevenção de gravidez precoce e infecções sexualmente transmissíveis. Ao sair do Palácio da Alvorada, na manhã desta quarta-feira 5, Bolsonaro disse que uma pessoa que vive com HIV é uma despesa para todos do Brasil.

Uma pessoa com HIV, além de ser um problema sério para ela, é uma despesa para todos aqui no Brasil”, disse o presidente, que relatou como exemplo o caso de uma jovem que supostamente teve o segundo filho aos 15 anos e que contraiu HIV na terceira gravidez.

E Bolsonaro voltou a utilizar o Partido dos Trabalhadores como justificativa para suas ações. Segundo o capitão, o programa de abstinência sexual foi criado, pois “essa liberdade que pegaram ao longo do PT que vale tudo chega a esse ponto, uma depravação total”.

O programa que Bolsonaro comentou é idealizado pela ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, junto com o Ministério da Saúde. A iniciativa não tem suporte científico e por isso não deve ser levado em frente. É o que recomendaram as defensorias pública da União e de São Paulo ao governo federal.

A recomendação das defensorias é que os ministérios não veiculem a campanha, prevista para começar nos primeiros dias do mês de fevereiro, mês do carnaval. Além da falta de comprovação científica, os órgãos argumentam que a ineficácia desse tipo de iniciativa já foi refutada por pesquisas nacionais e internacionais.

Nos Estados Unidos, onde políticas de abstinência sexual existem há quase 40 anos, estudos não comprovaram queda nas taxas de gravidez na adolescência e muito menos na proliferação de infecções sexualmente transmissíveis a partir da recomendação do início tardio da vida sexual.

 

 

 




- Advertisement -

Mais notícias