No menu items!
30 C
Rio Branco
quarta-feira, outubro 21, 2020

Confissões de um faccionado preso: “roubamos juntos e depois degolamos ele”

Últimas

Caso Jonhliane: Ícaro e Alan viram réus, irão a júri popular e podem pegar até 30 anos cada

O fisioterapeuta Ícaro José da Silva Pinto e o estudante Araújo de Lima passaram da condição de acusados para réus no processo que apura...

Médico diz pra Rocha pedir pra “cagar”, renunciar e largar os privilégios do governo. “Quer enganar a quem”?

O médico Luciano Carioca perdeu a paciência com o vice-governador Major Rocha. Ele se sentiu incomodado com os ataques do militar ao governo e...

Coação e constrangimento: Estação Vip penaliza vigilantes e ameaça demitir quem não votar no candidato do coronel Ulisses

Os 250 vigilantes que trabalham na Estação Vip estão intimados a votar no instrutor de tiros Júlio Veras, candidato a vereador da capital. A...

Cruzeiro do Sul: sargento Adonis assume compromisso com taxistas

O candidato pela coligação “A Verdadeira Mudança”, Sargento Adonis, reuniu-se com taxistas na sede do sindicato, no Bairro da Baixa, na noite desta terça-feira...

Bolsonaro, Ciro Gomes, Dória e Lula apadrinham campanhas Brasil afora, mas nenhum deles vem ao Acre

O Blog do Assem apurou que os candidatos Bocalom (PP), Minoru Kinpara (PSDB) e Roberto Duarte (MDB) tentam em vão o apoio presencial de...

Agentes da Delegacia da Polícia Civil de Epitaciolândia, coordenados pelo delegado Luiz Tonini, desarticularam um quadrilha que vinha realizando roubos em série na região de fronteira, nos últimos meses.

A polícia conseguiu identificar pelo menos seis acusados, prendendo, até o momento, um dos identificados. Em depoimento, o acusado confessou a prática de pelo menos cinco assaltos e a execução de um comparsa, indicando o local onde o corpo foi desovado.

O jovem de 20 anos se mostrou frio e detalhou a execução do parceiro de crime. Segundo ele, a vítima, identificada pela alcunha de “Cabuloso”, teria gravado um vídeo afirmando que estava deixando um grupo criminoso para se inserir no grupo rival, o que teria causado a ira dos lideres faccionados.

O homicida confessou ainda que a execução aconteceu entre o dia 17 e 18 de janeiro, mas que dias antes, ele, a vítima e mais quatro criminosos realizaram um assalto a uma farmácia na cidade de Epitaciolândia, onde após o roubo fugiram para a cidade de Xapuri. Como descobriram que a polícia já sabia da presença deles na cidade, decidiram fugir para Senador Guiomard.

“O ‘Cabuloso’ veio com os parceiros em um carro e eu e outro irmão viemos em outro carro. Quando chegamos no Quinari chegou um vídeo em que ele (cabuloso) teria gravado rasgando a camisa da nossa facção para entrar no…(facção rival). Foi dai que recebemos uma chamada de vídeo do ‘oculto’ dando a ordem de morte dele”, disse o faccionado, revelando ainda como foi realizada a execução da vítima.

“Eu dei uma facada no pescoço, o irmão deu outras duas facadas e depois cortou a cabeça dele, depois cavamos um buraco e jogamos ele”.

Após o crime, o jovem preso disse que voltou para a sua casa, localizada na região da Transacreana enquanto os comparsa ficaram em Senador Guiomard.
Na manhã de quinta-feira, peritos do Instituto de Criminalística e IML, policiais civis da cidade de Epitaciolândia e Senador Guiomard, além de investigadores do Departamento de Polícia da Capital e do Interior – DPCI com o apoio de homens do Corpo de Bombeiros o corpo numa região de mata dentro de uma propriedade rural que faz divisa com o bairro Chico Paulo.

Os roubos

O jovem preso durante a operação confessou pelo menos cinco roubos realizados por ele e os comparsas. Além do roubo à farmácia, na cidade de Epitaciolândia, ele contou ainda sobre roubos a motocicletas e outros comércios.

Ele foi preso em flagrante, já que durante a ofensiva policial foi encontrado em seu poder um revolver municiado e quase 200g de skunk, maconha geneticamente modificada e que vem sendo traficada para o Acre.

O Delegado Geral da Polícia Civil, José Henrique Maciel Ferreira, comentou sobre as ações realizadas pela Polícia Civil em todo o Acre.
“A Polícia Civil, como tenho dito, não está inerte, estamos trabalhando com afinco na elucidação dos crimes hediondos. Estamos trabalhando, em todo o estado, de forma comprometida para melhorar ainda mais a Segurança Pública”, enfatizou.




- Advertisement -

Mais notícias