No menu items!
24 C
Rio Branco
quinta-feira, outubro 22, 2020

Upa Sobral: acompanhante ameaça “dar na cara” de enfermeira, é levada à delegacia e médico anuncia paralisação por segurança

Últimas

 Prefeito petista de Xapuri manda única retroescavadeira para fazenda de amigo e município leva prejuízo de R$ 500 mil

 Uma retroescavadeira avaliada em quase meio milhão de reais, pertencente à Prefeitura de Xapuri, teria ficado inoperante ao cair de uma ponte, dentro de...

Advogado Lázaro Barbosa promete, se eleito, desmontar em 3 meses o esquema das empresas de ônibus em Rio Branco

O candidato a Vereador Lázaro Barbosa, jornalista e advogado, apresentou nas suas redes sociais uma proposta que está repercutindo bastante, destinada a baixar o...

Jarbas Soster reafirma compromisso com servidores públicos de Rio Branco

Na tarde desta quarta-feira, 21, o candidato a prefeitura de Rio Branco, Jarbas Soster, participou de uma reunião com a diretoria do Sindicato dos...

Caso Jonhliane: Ícaro e Alan viram réus, irão a júri popular e podem pegar até 30 anos cada

O fisioterapeuta Ícaro José da Silva Pinto e o estudante Araújo de Lima passaram da condição de acusados para réus no processo que apura...

Médico diz pra Rocha pedir pra “cagar”, renunciar e largar os privilégios do governo. “Quer enganar a quem”?

O médico Luciano Carioca perdeu a paciência com o vice-governador Major Rocha. Ele se sentiu incomodado com os ataques do militar ao governo e...

[videopress agXimkHf]

Dois acompanhantes ameaçaram bater na cara de uma enfermeira, na Upa Sobral, nesta segunda-feira. Durante a confusão, a parente de uma paciente idosa acabou sendo levada á delegacia, onde prestou depoimento e foi liberada. A profissional em saúde fez a queixa-crime e pediu providências à polícia. Um outro servidor gravou vídeo dentro da delegacia, acompanhado de seus advogados.

O clinico geral Victor Milhomen fez a defesa da colega, e disse que “está difícil trabalhar por falta de segurança dentro da UPA Sobral”. Milhomen explica que “muitos pacientes já chegam ditando a classificação de risco, para que sejam atendimento mais rapidamente”. Na verdade, diz ele, “a coisa não é assim, simples como eles imaginam. “É preciso obedecer ao procedimento médico, mas nem todo mundo entende isso”. O médico relata ao menos uma ocorrência de desacato a servidor público por semana.

“Trabalhamos em região do medo, dominada por facções. Isso já nos deixa receosos. E ainda somos submetidos a um constrangimento ilegal, dentro da unidade. Não dá desse jeito”, disse ele.

Na sexta-feira, enfermeiros e médicos farão uma paralisação de 24 horas. Eles pretendem chamar a atenção das autoridades em segurança. Apenas 25% da capacidade de atendimento estará funcionando ao longo do dia.




- Advertisement -

Mais notícias