No menu items!
30 C
Rio Branco
quarta-feira, outubro 21, 2020

Após 2 DNAs positivos, irmã biológica do deputado Roberto Duarte quebra o silêncio: “Sinto pena. Ele não é dono da chuva”

Últimas

Caso Jonhliane: Ícaro e Alan viram réus, irão a júri popular e podem pegar até 30 anos cada

O fisioterapeuta Ícaro José da Silva Pinto e o estudante Araújo de Lima passaram da condição de acusados para réus no processo que apura...

Médico diz pra Rocha pedir pra “cagar”, renunciar e largar os privilégios do governo. “Quer enganar a quem”?

O médico Luciano Carioca perdeu a paciência com o vice-governador Major Rocha. Ele se sentiu incomodado com os ataques do militar ao governo e...

Coação e constrangimento: Estação Vip penaliza vigilantes e ameaça demitir quem não votar no candidato do coronel Ulisses

Os 250 vigilantes que trabalham na Estação Vip estão intimados a votar no instrutor de tiros Júlio Veras, candidato a vereador da capital. A...

Cruzeiro do Sul: sargento Adonis assume compromisso com taxistas

O candidato pela coligação “A Verdadeira Mudança”, Sargento Adonis, reuniu-se com taxistas na sede do sindicato, no Bairro da Baixa, na noite desta terça-feira...

Bolsonaro, Ciro Gomes, Dória e Lula apadrinham campanhas Brasil afora, mas nenhum deles vem ao Acre

O Blog do Assem apurou que os candidatos Bocalom (PP), Minoru Kinpara (PSDB) e Roberto Duarte (MDB) tentam em vão o apoio presencial de...

Juliana Lameira, irmã biológica do deputado Roberto Duarte Júnior, falou ao acjornal neste sábado, após nove anos em absoluto silência tentando obter, na justiça, o reconhecimento de paternidade. Ela é filha do advogado renomado – e falecido – Roberto Duarte com a dona-de-casa Mirian Rocha.

O deputado contestou dois exames de DNA com resultado 99,9% positivo ( veja AQUI reportagem publicada neste sábado). E, no decorrer do processo se achou no direito de pedir um terceiro exame. A família não tem dúvidas de que o deputado, influente no meio jurídico, tenta retardar a tramitação natural da ação e evitar que o inventário seja aberto – o que só pode ocorrer quando a ação de paternidade for encerrada.

“Eu sou irmã dele, juntos temos um impasse judicial que já se estende por quase nove anos, mas atualmente não gosto de comentar sobre o assunto”, disse Juliana.

Ela, no entanto, aceitou conversar com o jornalista Assem Neto via aplicativo Whatsapp: “eu não sinto nada além de pena, ele não é dono da chuva. A justiça tarda, mas não falha. Não é ele quem vai dizer se sou filha ou não, o meu pai em vida me reconheceu e nos amávamos muito por sinal, o que pra mim basta, já o Roberto Junior em sua infelicidade fez dois exames e o resultado foi sempre o mesmo”, relatou.

Matheus Lameira, frentista num posto de gasolina em Senador Guiomard, diz que jamais viu o pai ou o irmão biológico. Ele se apega à luta da mãe, Mirian, que sofre de depressão e acompanha tudo por meio de seus advogados.

Já Juliana teve a oportunidade de conhecer o pai em vida.

“Como todo filho sinto uma enorme saudade, choro, alguns dias são maus, será sempre uma perda irreparável. Já se passaram quase nove anos, mas a dor continua sendo a mesma”, disse Juliana sobre o pai falecido em abril de 2010, vítima de um câncer.

 




- Advertisement -

Mais notícias