No menu items!
29 C
Rio Branco
segunda-feira, setembro 28, 2020

Cartel na Saúde: ex-diretor da Sesacre depõe por 4 horas na Polícia Federal

Últimas

Condenado a mais de um século de prisão, principal matador do B13 volta ao banco dos réus

Condenado a mais de um século de prisão por diversos crimes, principalmente assassinatos, Saymon Wallace do Nascimento Fonseca voltou ao banco dos réus nesta...

Deputada aliada de Bolsonaro “pinta” Moro e Mandetta de preto e é acusada por racismo

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) foi acusada nas redes sociais de racismo, após publicar uma montagem com fotos dos ex-ministros Sergio Moro e...

Trump passou 10 dos 15 anos anteriores à eleição sem pagar imposto de renda

NOVA YORK — O jornal americano New York Times publicou neste domingo trechos daqueles que eram considerados um dos segredos mais bem guardados do...

Gestor que descobriu corrupção na Sehab e provocou a Operação Lares propõe mandato linha dura como vereador de Rio Branco

Pulso firme e linha dura, eis o perfil do candidato a vereador por Rio Branco, Marcos Mustafa (PSC). Foi ele quem, em 2013, iniciou...

Prepare-se: preço do arroz vai continuar subindo até março de 2021, diz presidente da Associação dos Supermercados do Acre

O empresário Aden Araújo fez uma previsão sobre os sucessivos reajuste no preço do arroz no Acre, na tarde desta sexta-feira. São projeções nada...

O ex-diretor administrativo e Financeiro da Secretaria de Saúde do Acre, Erisson Calixto, foi ouvido nesta quarta-feira na sede da Polícia Federal. Por cerca de quatro horas, Calixto respondeu perguntas do delegado que preside investigações diversas sobre uso indevido de recursos federais no setor.

A investigação tem apoio do governador Gladson Cameli, para quem o setor da Saúde tem sido atingido por um cartel formado por gestores públicos e empresas que forjam licitações desde as gestões passadas.

Na última semana, os federais fizeram buscas e apreensões na sede da Sesacre, em consequência de atitudes ilícitas do governo Tião Viana com a empresa Paz Ambiental, sediada em Vilhena (RO), contratada à época para coleta de lixo hospitalar em todas as unidades do estado. O contrato com esta empresa não foi renovado na gestão do governador Gladson Cameli.

Na semana passada, o deputado Fagner Calegário (PL) também levou nomes de gestores públicos que teriam subornado empresários locais. O esquema envolve pagamentos de propina de até 40% do valor supostamente devido pelo Estado.

A ordem dada por Cameli foi para eliminar qualquer rastro de corrupção desde que o novo governo assumiu o Acre. A PF quer saber se esta recomendação foi acatada ou descumprida.

Uma força tarefa composta por procuradores do Estado, instituída pelo governador ainda no ano passado, identificou contratos eivados de irregularidades. Gladson determinou a suspensão de empenhos e pagamentos suspeitos, reivindicados por empresas que não teriam prestado serviços de acordo com o determinado nos editais públicos.

O ex-diretor da Sesacre foi liberado para voltar ao trabalho após ser ouvido na PF.

Calixto foi exonerado do cargo no final do ano passado, nomeado para a Administração e Finanças da Secretaria de Educação, de onde foi exonerado também. Hoje, ele é comissionado na Secretaria de Tecnologia do Estado.




- Advertisement -

Mais notícias