Exército peruano ocupa a ponte da integração na fronteira com o Acre para impedir o fluxo de pessoas

A quinta-feira (19/3) amanheceu com uma cena de guerra na fronteira do Peru com o Acre, na região das cidades de Iñapari (PER) e Assis Brasil (BRA).

Homens do exército peruano, armados de fuzil e usando máscara de proteção ao corona vírus estão desde a noite anterior formando um cordão de isolamento humano, na metade da ponte que liga os dois países.

Todas as pessoas, sem exceção, de peruanos ou brasileiros estão sendo barrados de cruzar a linha fronteiriça.

A ordem do governo peruana é para não deixar ninguém entrar e nem sair do país para evitar a disseminação do covid-19.

Uma verdadeira operação de guerra, foi montada na região na calada da noite para impedir o fluxo de pessoas de um lado para outro do Rio Acre.

É pela ponte da integração que a maioria dos imigrantes venezuelanos chega ao Acre e entra no Brasil depois de messes perambulando por países com registro, confirmado, de corona virus.

Em nota divulgada na Imprensa local, na última -terça- feira (17/3), o governo peruano informou que a medida é para proteger seu povo e os povos dos países vizinho.

No entanto, do lado brasileiro, o governo federal, até às 10h30 desta quanta-feira (19/3) horário Acre, ainda não tinha tomado nenhuma providência mais dura em relação ao fechamento das fronteiras para evitar que as pessoas saiam ou entre no país levando ou trazendo o covid-19.