Oficial da Pm diz que vai prender deputado infectado por Covid-19; outros parlamentares “sumiram” após reuniões com Daniel Zen

Ao menos quatro deputados estaduais estariam infectados e em tratamento intensivo, em suas casas. Eles fizeram exames em unidades particulares e mantêm a informação em sigilo. A preocupação foi generalizada, e causou correria na Aleac, após o diagnóstico positivo para o deputado Daniel Zen (PT), o único que assumiu estar doente. Um informante do acjornal disse que os parlamentares supostamente contaminados não são encontrados nem mesmo em suas cidades de orígem, e fizeram a opção por clínicas particulares.

Zen contraiu o vírus do presidente da Cooperacre, um senhor de 81 anos, em ato político em Capixaba, no dia 14 de março, quando o ex-senador Jorge Viana e o presidente do PT, Cesário Braga, também ficaram doentes. O parlamentar participou das sessões, em seguida, mas só saberia do resultado positivo de seu teste três dias depois.

Foi Daniel Zen foi quem leu a mensagem oficial, na última sessão de março, informando sobre a suspensão dos trabalho, e que a Assembléia Legislativa encerraria as atividades provisoriamente para aderir à quarentena. Em seguida, minutos após, o deputado se reuniu com os colegas numa sala fechada, para tratar assuntos da Casa.

O Plenário está interligado ao Salão Nobre, onde são recepcionados os visitantes e convidados – um ambiente fechado sem ventilação natural. Jornalistas tiveram contato direto com todo o grupo de parlamentares, também sem saber que os políticos poderiam estar contaminados. Deputados ainda chegaram a visitar o aquário, ambiente reservado aos repórteres, antes de a sessão acabar.

Caso de polícia

Um militar que pediu para não ser identificado informou que vai trabalhar “para prender” um deputado que, mesmo resfriado há vários dias, “não se cuida e não se preocupa com a vida das pessoas”. O parlamentar teria sido visto bebendo cerveja, numa cidade do interior, onde tem residência e mora com parte da família. O militar fez o seguinte comentário: “ele fez a prova e está esperando a contra-prova. Se der positivo novamente, ele tem que ser preso por desobediência”, afirmou, referindo-se ao decreto de calamidade pública e às orientações da Organização Mundial de Saúde que orientam isolamento diante de suspeita de Coronavírus.

Nesta segunda-feira, ao menos 17 deputados participaram do teste para a primeira sessão virtual depois da edição do decreto de calamidade. Eles são aguardados para esta terça-feira, no horário regimental, cada um de suas casas mas conectados em tempo real com o presidente Nicolau Júnior e demais membros da mesa-diretora.