No menu items!
26 C
Rio Branco
segunda-feira, outubro 26, 2020

Rio Acre: dono de barco deve indenizar mãe e filho de vítima

Últimas

Jornalista afirma que assessores de Jéssica Sales também espalham Fake news para atacar governador Gladson Cameli

Leandro Altheman, jornalista na região do Juruá, costuma fazer publicações contra o que chama de velha política. O jornalista afirma que as fakenews contra o...

Novos talentos: jornalista promove incentivo e premiação para crianças

A jornalista e apresentadora do canal ARTISTA EM FOCO, no YouTube, Katiussi Melo, organizou uma programação especial nesse mês de outubro, em comemoração ao...

Polícia Federal usará drones para fiscalizar eleições no Acre

A Polícia Federal usará DRONES durante as eleições a fim de auxiliar os policiais na prevenção e repressão de crimes eleitorais. Visando aumentar a segurança...

Além de amantes, prefeito Bira, de Xapuri, paga comissionados fantasmas que fazem Medicina na Bolívia

Além de duas supostas amantes do prefeito Bira Vasconcelos, pelo menos quatro estudantes de Medicina na Bolívia estariam incluídos na lista de funcionários fantasmas. Eles...

No PSL do Acre, candidato com mais potencial recebe mais fundo partidário

Se engana quem pensar que o candidato mais pobre terá maior repasse do fundo partidário para tocar sua campanha. Esse critério passou longe das...

O filho e a mãe da jovem Barbara Bruna Bezerra, 23, que morreu em acidente náutico no Rio Acre, em janeiro de 2017, devem receber R$ 50 mil de indenização por danos morais. Na sentença da juíza Zenice Cardozo, da 1ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco, foi considerada a responsabilidade do proprietário do jet ski, Valdemir Barbosa dos Santos. O aparelho era pilotado pela vítima. Também foi responsabilizada uma segunda pessoa por ter permitido que a jovem usasse o veículo sem ter habilitação.

Como um dos denunciantes é filho de Barbara, dependente dela, os dois acusados também foram condenados ao pagamento de pensão mensal até a criança completar 18 anos – ou 23 anos, caso esteja cursando ensino superior.

O proprietário da lancha, o empresário Gringo Soster, não foi responsabilizado, pois provou que a embarcação tinha iluminação. A magistrada escreveu que não foi comprovada a imprudência em relação ao empresário, que chegou a ser denunciado.
“(…) tenho que tal imprudência não foi comprovada. Isso porque, como já foi dito, ficou comprovado nos autos que a lancha possuía iluminação. No mais, eventuais irregularidades deveriam ter sido comprovadas pelos autores, o que não ocorreu.”

 “Restou inconcusso que os autores sofreram grande abalo uma vez que perderam ente querido. O primeiro autor perdeu sua mãe, enquanto a segunda, sua filha”, escreveu a juíza. Segundo ela, houve negligencia da parte ré quando esta não verificou o fato da vítima ter ou não habilitação para pilotar o jetski.




- Advertisement -

Mais notícias