No menu items!
26 C
Rio Branco
segunda-feira, outubro 26, 2020

BBB20: Pyong Lee admite que é milionário

Últimas

Jornalista afirma que assessores de Jéssica Sales também espalham Fake news para atacar governador Gladson Cameli

Leandro Altheman, jornalista na região do Juruá, costuma fazer publicações contra o que chama de velha política. O jornalista afirma que as fakenews contra o...

Novos talentos: jornalista promove incentivo e premiação para crianças

A jornalista e apresentadora do canal ARTISTA EM FOCO, no YouTube, Katiussi Melo, organizou uma programação especial nesse mês de outubro, em comemoração ao...

Polícia Federal usará drones para fiscalizar eleições no Acre

A Polícia Federal usará DRONES durante as eleições a fim de auxiliar os policiais na prevenção e repressão de crimes eleitorais. Visando aumentar a segurança...

Além de amantes, prefeito Bira, de Xapuri, paga comissionados fantasmas que fazem Medicina na Bolívia

Além de duas supostas amantes do prefeito Bira Vasconcelos, pelo menos quatro estudantes de Medicina na Bolívia estariam incluídos na lista de funcionários fantasmas. Eles...

No PSL do Acre, candidato com mais potencial recebe mais fundo partidário

Se engana quem pensar que o candidato mais pobre terá maior repasse do fundo partidário para tocar sua campanha. Esse critério passou longe das...

Vendo entrado como um dos participantes da ala famosa no BBB20, Pyong Lee já tinha uma vida financeiramente tranquila antes mesmo de tentar ganhar o prêmio milionário oferecido pelo reality show global.

Em entrevista a Patrícia Kogut, o hipnólogo discorreu sobre as falas de Gizelly na casa, já depois dele ter sido eliminado. A advogada comentou que tanto o ex-colega de confinamento quanto Rafa Kalimman já eram ricos, sugerindo que os dois não necessitariam de R$ 1,5 milhão.

“Gizelly já falava quando eu estava na casa. Era uma brincadeira, uma coisa da cabeça dela. Mas, na minha opinião, esse assunto ‘ser rico ou não’ não é uma questão a ser levada em conta. Lá dentro é uma competição. Não é para ver quem é mais pobre, quem é vítima, quem não é. Não é um programa de caridade. É um jogo de convivência, personalidade e estratégia. É uma junção de coisas. Eu falava que há a possibilidade de jogar com o coração e de jogar com estratégia e inteligência. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Todos que estão ali foram selecionados por mérito próprio”, afirmou.

Mesmo assim, ele garantiu que tem sim uma vida financeira privilegiada. “Comecei a trabalhar ‘na rua’, em locais diferentes, aos 12 anos. Fui office boy numa imobiliária, por exemplo. É… Acho que já posso dizer que sou milionário depois desses 15 anos de trabalho (risos)”. Além de uma empresa de hipnose clínica, Pyong também é youtuber e palestrante.




- Advertisement -

Mais notícias