No menu items!
33 C
Rio Branco
sexta-feira, outubro 23, 2020

Brasil verá pessoas morrendo em casa em 4 semanas, diz epidemiologista

Últimas

Número de alunos entrando no ensino superior público caiu em 2019

O número de alunos entrando em universidades públicas em 2019 foi de 559 mil, uma queda de 3,7% em comparação à quantidade de estudantes...

STF: plenário vai julgar obrigatoriedade da vacina contra Covid-19

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou urgência na tramitação de ações ligadas à vacinação contra a Covid-19. Com isso, o magistrado...

Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da Coronavac

Após ser acusada pelo Instituto Butantan de retardar a fabricação da vacina da farmacêutica Sinovac, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, nesta sexta-feira...

Policiais penais encontram 178 tabletes de droga em embalagens de creme dental

  Material seria encaminhado para oito presos do Complexo Penitenciário de Rio Branco Ascom/Iapen Policiais penais do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) impediram na manhã desta sexta-feira,...

AC obtém licença para estrada entre Feijó e Envira. Gladson avança em tratativas com Governo do Amazonas

Com a licença ambiental em mãos e as obras já em andamento do lado acreano, o governador do Acre, Gladson Cameli, esteve em Manaus...

O epidemiologista da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, Ivan França Junior, disse ao jornal The Guardian que se Jair Bolsonaro continuar incentivando a sociedade a sabotar o distanciamento social contra o coronavírus, o Brasil viverá “dias dolorosos”, semelhante à Itália, dentro de algumas semanas.
“Vamos ver pessoas morrendo fora dos hospitais [porque não existem leitos de terapia intensiva suficiente], pessoas morrendo em casa porque nosso serviço de ambulância não será capaz de lidar”, disse.
“As previsões sugerem que isso acontecerá em três ou quatro semanas, e então será tarde demais. As pessoas vão surtar e se trancar dentro de casa por sua própria vontade.”

The Guardian




- Advertisement -

Mais notícias