No menu items!
27 C
Rio Branco
sexta-feira, dezembro 4, 2020

Cara de mau: PM´s são condenados por tortura; vítima foi obrigada a pular no Rio Acre sem saber nadar

Últimas

Nicolau Junior parabeniza Ronald Polanco pela presidência do Tribunal de Contas do Acre

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (Progressistas), em nome da mesa diretora e todos os deputados, parabenizou o novo...

Bocalom, o todo poderoso da vez, não emplaca o Produzir Para Empregar se não quiser

O jornalista Altino Machado e o ex deputado Luiz Calixto lembram o invejável rol de apoiadores de Bocalom, em comentários bem festejarmos na rede...

Ismael Tavares pode ser o novo presidente do Podemos em Rio Branco.

Filiado no PODEMOS-AC, Ismael Tavares é o preterido do Vereador eleito Arnaldo Barros para presidente do diretório municipal do partido em Rio Branco. Ele...

Inimigo da educação: Bolsonaro enfraquece Fundeb e professores ficarão sem reajuste em 2021

A Portaria interministerial 3, do governo Bolsonaro, que altera a gestão do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos...

“ Musa Fitness do crime” volta às redes sociais, cita Deus, vira ré e fica frente a frente com juiz

Presa em flagrante no dia 26 de agosto deste ano pelo crime de tráfico de drogas, Ivanna Alencar de Souza, que ficou conhecido como...

Os policiais Militares Ângelo Gleiwitz Moreira Siriano, Leonardo Lima e Lima e Nilando da Silva Diniz foram condenados a mais de 20 anos de prisão pelo crime de tortura.
Os três militares foram denunciados pelo Ministério Publico Estadual por terem agredido  o desempregado Sandro José Vidal da Silva, em 23 de fevereiro de 2018, no Bairro Aeroporto Velho.

Os PMs estavam em serviço e teriam abordado a vítima em via publica. Sandro José foi espancado a golpes de tonfa (uma espécie de cassetete), chutes e pontapés. Em seguida, foi obrigado a deitar na lama. Após isso, os PM´s fizeram o rapaz pular no rio acre, mesmo a vítima não sabendo nadar. O teor da denúncia foi acatado pela justiça.

O policial militar Ângelo Gleiwitz Moreira recebeu a maior pena. Ele foi condenado a 6 anos 9 meses e 2 dias no regime fechado. Por ser reincidente, não terá o direito de recorrer da decisão em liberdade. Os réus Leonardo Lima e Nilando Diniz foram sentenciados a 6 anos 2 meses e 20 dias, cada um, no regime semiaberto. O magistrado concedeu aos dois o direito de recorrer da decisão em liberdade.

Consta no processo que a vitima foi submetida a cirurgia no antebraço direito e na região medial e lateral do tornozelo esquerdo, ficando com encurtamento de perna esquerda.
O policial Ângelo Gleiwitz tem uma segunda condenação por crucificar um suspeito de furto no assoalho de uma casa – crime ocorrido no bairro preventório. A pena foi de 5 anos 3 meses de prisão.




- Advertisement -

Mais notícias