Perícia forense examina notebook e celular de ex-secretário e assessor de deputado; autoridade do Executivo seria a vítima

Uma alta autoridade do Poder Executivo teria sido vítima do assessor do deputado Roberto Duarte Júnior (MDB), Jarbas Anute. Secretário adjunto de planejamento cedido para trabalhar na Assembléia Legislativa, o rapaz deve ser indiciado. Reservado e respeitando a nova lei, o delegado que preside as investigações, Pedro Paulo Bozolin, coleta provas que podem lhe levar à confirmação de dois crimes: contra a honra e falsidade ideológica.

“Eu estou investigando um caso. Se há culpados isso saberemos no decorrer das investigações”, disse o delegado, lembrando que mais detalhes não poderão ser revelados neste momento. Ele negou ter havido indiciamento.

Uma fonte do acjornal confirmou que uma autoridade “do Poder Executivo” foi envolvida indevidamente em situações “muito embaraçosas”. Por ser parte do grupo que investiga, ele economizou palavras.

Computador, notebook e celulares foram apreendidos no último dia 13 no apartamento de Jarbas, no Condomínio Ibiza, em Rio Branco. No carro dele havia, ainda, material de propaganda política fartamente distribuída na campanha do então candidato a deputado, Roberto Duarte. Jarbas, não por acaso, era o coordenador de campanha do advogado, cujo envolvimento nesse suposto crime não é confirmado ou descartado, por enquanto.

O caso mobilizou a Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (CORE).

“Esse endereço era procurado há algum tempo. “Ele tinha comprado o apartamento recentemente, mas já colocou a venda. O material apreendido na casa dele passa por análise da Polícia Técnica, mais precisamente do Setor de Informática Forense. Esta investigação é conduzida pelo Setor de Inteligência da Polícia Civil”, disse a fonte do acjornal.

Duas autoridades policiais ouvidas pela reportagem admitem que Jarbas não é o único investigado.

Nota da Redação

A divulgação do nome do investigado é opção assegurada pela Lei de Imprensa, haja vista a busca e apreensão autorizada judicialmente e divulgada com exclusividade por este meio de comunicação na quarta-feira (13). As declarações do delegado sobre o caso não comprometem a investigação.