Corrupção na Saúde: às 6 da manhã a PF já estava na casa do prefeito e na Prefeitura de Cruzeiro do Sul

Era quase 06h da manhã quando agentes da Policia Federal chegaram ao prédio da Prefeitura Cruzeiro do Sul, na Secretaria Municipal de Saúde e na residência de alguns gestores.
A gestão Ilderlei Cordeiro foi o pivô de uma investigação que identificou uma quadrilha que se utilizava da compra de medicamentos para desviar recursos públicos, segundo informações preliminares da CGU- Controladoria Geral da União.

A PF buscou e apreendeu documentos. As residências do prefeito Ilderlei Cordeiro também foram alvos de buscas. Até a atualização desta notícia, por volta de 9 horas, os federais ainda permaneciam dentro da casa do prefeito e das repartições públicas.

Abaixo, as informações oficiais divulgadas até o momento pela PF:

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (3), em Cruzeiro do Sul (AC), a Operação Off-Label. O trabalho é realizado em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU) para combater fraudes na área da saúde nos municípios de Cruzeiro do Sul (AC), Rodrigues Alves (AC), Marechal Thaumaturgo (AC), Xapuri (AC), Epitaciolândia (AC), Bujari (AC), Rio Branco (AC), Jordão (AC) e Boca do Acre (AM), Pauiní (AM) e Guajará (AM).
As irregularidades foram identificadas pela CGU durante as fiscalizações do 4º Ciclo do Programa de Fiscalização em Entes Federativos, realizadas no município de Cruzeiro do Sul em setembro de 2017. Dentre as supostas fraudes estão a compra de insumos sem realização de procedimento administrativo e o direcionamento de procedimentos licitatórios. A CGU também constatou indícios de pagamento por medicamentos e insumos hospitalares que não foram entregues ao município e preços superiores aos praticados no mercado.
Com isso, os auditores da CGU detectaram um prejuízo de R$ 309.014,60 ao analisar uma amostra de pagamentos de apenas R$ 631.267,49. Consequentemente, quase 50% dos pagamentos analisados causaram prejuízo ao município de Cruzeiro do Sul.
No decorrer das investigações, a Polícia Federal constatou indícios de que a fraude também vem ocorrendo nos municípios de Rodrigues Alves, Marechal Thaumaturgo, Xapuri, Epitaciolândia, Bujari, Rio Branco, Jordão e Boca do Acre, Pauiní e Guajará. A principal empresa investigada recebeu mais de 70 milhões de reais de vários entes públicos durante o período de 2016 a 2019.

A Operação Off-Label cumpre 85 mandados de busca e apreensão em endereços localizados em onze municípios. Os trabalhos contam com a participação de 250 policiais federais de três auditores da CGU. Os mandados de busca e apreensão domiciliar foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, após a Procuradoria Regional da República da 1ª Região ter se manifestado favoravelmente ao deferimento das medidas.
O termo “off-label” é empregado para se referir à utilização de medicamentos de forma diversa às indicações prescritas em bula, sem aprovação e homologação dos órgãos competentes.
Os mandados de busca e apreensão domiciliar foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, após a Procuradoria Regional da República da 1ª Região ter se manifestado favoravelmente ao deferimento das medidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui