No menu items!
27 C
Rio Branco
segunda-feira, setembro 28, 2020

Coronel bombeiro preso e condenado por agredir companheira é cedido à Sedur: “monstro”

Últimas

Sertão acreano: seca castiga famílias da Floresta Estadual do Antimary, que caminham horas em busca de água

Centenas de famílias de extrativistas e pequenos produtores rurais que habitam a Floresta Estadual do Antimary estão vivendo sem água potável. Se obrigam a...

CPMF: o imposto defendido por FHC, Lula e Dilma, que pode ser ressuscitada por Bolsonaro

A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) é um dos impostos mais polêmicos desde a redemocratização. Criada em 8 de julho de 1993, no...

C. do Sul 116 anos: Gladson entrega Avenida Cultural com novo Teatro dos Náuas, ginásios poliesportivos e 20 ônibus escolares

Stalin Melo Educação, cultura e esporte, tudo no mesmo lugar. Foi exatamente isso o que o governador Gladson Cameli entregou na manhã desta segunda-feira, 28,...

E agora, Bittar? Uso do Fundeb para Renda Cidadã é mascarar teto de gastos públicos, diz ministro do TCU

O ministro do TCU Bruno Dantas criticou nesta segunda-feira a proposta apresentada pelo governo para financiar o Renda Brasil. Para ele, usar recursos do...

Showmícios em tempos de Covid e o recado a quem propaga Fake News

A Justiça Eleitoral não pretende expedir regras para o protocolo sanitário de comícios, afirmou a assessora especial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Roberta Gresta,...

O coronel Cleyton Almeida de Oliveira, um dos pilotos do Helicóptero João Donato, do Governo do Acre, condenado a 1 ano e 20 dias de detenção por ter causado lesões físicas e psicológicas à ex-companheira, está sendo contemplado com a função de engenheiro na Secretaria de Desenvolvimento Urbano. O militar, preso há um mês quando estava em Porto Velho e usava o telefone celular enquanto estava detido num quartel militar de Rondônia, será cedido a pedido do chefe da Casa Civil, Ribamar Trindade ( veja documento). A cessão foi autorizada pelo Comando Corpo de Bombeiros do Acre, que prometeu e não puniu Kleyton Almeida, apesar de o oficial ter sudo preso duas vezes por agredir a mesna mulher. Um grupo de militares femininas pediu que a reportagem cobrasse explicações comando do CBMAC. Elas se dizem indignadas com a impunidade e admitem que o coronel tem “vasto histórico” de assedio contra militares. ” Esse monstro não pode ficar entre nós. Por tudo que ele fez, a prisão foi muito pouco. Agora temos a certeza de que o Kleyton sempre foi protegido aqui dentro. Tenho nojo”, desabafou uma militar. Kleyton fez a vítima passar por muitos momentos de desprezo e humilhações e ainda a culpou ter ter engravidado. Laudos médicos foram juntados às provas e ajudaram a juíza a tomar a decisão. Documentos apresentados à justiça mostram as consequências psicológicas causadas à vítima: insônia, ansiedade, desassossego e perseguição.

O oficial bombeiro também foi sentenciado pelas práticas dos crimes de lesão corporal e pela contravenção penal chamada de vias de fato, que é quando há contato físico violento, mas sem gerar lesão. No caso, ele segurou os braços da mulher até ficarem vermelhos, pois queria pegar o celular dela. O militar responde outros oito processos pelas mesmas acusações. Ao somar 2 anos de prisão, ele pode ser automaticamente expulso da corporação.

“O acusado diminuía a autoestima da vítima dizendo para ela ‘que ela não tinha valor, que não se amava ou respeitava, que não era honesta consigo mesma”, disse em sua sentença a juíza Shirlei Hage, titular da Vara de Proteção à Mulher de Rio Branco. Kleyton acusou a mulher de engravidar propositalmente quando ele havia deixado claro que não queria um filho dela. Para a juíza, trata-se de “uma postura totalmente machista quando a responsabilidade por gerar um filho é das duas partes”. O militar quis imputar à vítima a culpa de não se cuidar em relação aos métodos contraceptivos, entendeu a magistrada.

DOC2

DOC1




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui