No menu items!
20 C
Rio Branco
terça-feira, janeiro 19, 2021

Barraco: X-9 da rede social, oficial da PM e pré-candidata diz que PSL vai tomar o governo do AC em janeiro e chama Rocha de covarde

Últimas

O vice-governador do Acre, Major Rocha, teve a sua fidelidade ao governador Gladson Cameli colocada em jogo, neste domingo, por um de seus aliados mais barulhentos. Maria das Candeias, sub tenente aposentada da Polícia Militar, filiada ao PSL, informou haver grupos de internautas mobilizados pelo impeachment do governador. “O PSL vai ser governo quando o Gladson for impitimado. A partir de janeiro, fazendo dois anos e um dia, aí meu irmão o pau vai torar. Se preparem. Aí é quando o PSL vai ser governo”, disse ela.

A oficial anunciou ser pré-candidata a vereadora de Rio Branco pelo partido que passou a ser comandado pelo vice governador nesta semana. A legenda se juntou ao PSDB, numa manobra obscura que desagradou mais de 2 mil filiados, mas acabou em “final feliz” após a promessa de que as candidaturas na capital e no interior serão mantidas.

“Por enquanto, nós temos um covarde como vice-governador”, diz Candeias ao atacar o próprio líder do seu partido. Para ela, o vice-governador demora muito em pôr em ação o plano de derrubar Gladson Cameli. Ouça o áudio abaixo:

A militar tem passado dos limites da liberdade de expressão ao caluniar o governador e criticar o governo pelo fato de a titulação dos militares não ter sido paga. Candeias desrespeita a decisão do governador de priorizar o combate ao coronavírus e garantir investimentos para evitar mais mortes no Acre.

Candeias tem rixas homéricas com Rocha, desde os tempos em que os dois brigavam pelo controle da AME (Associação dos Militares do Acre).

Horas antes de Rocha ser anunciado como o mais novo comandante do PSL, na quarta-feira passada, a militar emitiu um áudio cantarolando:

“Na tela da TV, no meio desse povo, o vice se f….de novo..”

Ela, envergonhada, não compareceu no ato de filiação, que ocorreu à noite.

Ouça abaixo:

No PSL, a sub tenente é famosa por levar e trazer informações confidenciais, tramando contra outros filiados e contra o próprio vice-governador, a quem chamou de torturador. Ela acusou os assessores de Rocha de falsificar documento público para prejudicá-la (Veja AQUI)

É bom lembrar que Gladson não responde a nenhuma ação por irregularidade. E que um suposto plano para tomar o poder é assunto entre os liderados do vice-governador. Rocha, no entanto, jamais emitiu uma nota sobre o assunto, permitindo, com seu silêncio, que o constrangimento se alastre e os propagadores de fake news induzam a opinião pública a imaginar cenários de guerra no governo.

Tentamos contato com o presidente da Executiva Regional do PSL, Pedro Valério, mas ele não atendeu às chamadas.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui