Morre aos 92 anos a acionista majoritária do império Recol, fortuna disputada por filhos, viúva e neto do empresário Roberto Moura

Morreu nesta quinta-feira, aos 92 anos, a matriarca da família Alves Moura, controladora do Holding Recol Participações, que integra mais de 15 empresas – entre elas o grupo de supermercados Pague Pouco, a TV Gazeta (afiliada da Rede Record), Recol Farma, Recol Distribuidora de medicamentos, além das concessionárias Wolks, Ford, Kia, Yamaha e outros). O império avaliado em mais de R$ 1 bilhão é a razão de uma briga judicial entre os filhos, viúva e neto do empresário Roberto Alves Moura, falecido em agosto de 2013, no Instituto do Coração, em São Paulo.

A empresário Robherta Moura, uma das netas e administradora da TV Gazeta, informou a morte de dona Raimunda Alves por meio de uma postagem em sua página no Facebook, às 18:30 min. “Minha flor partiu, foi encontrar meu pai no seu, seu filho tão amado”, escreveu.

Dona Raimunda vivia muito discretamente sob segurança reforçada e cuidados médicos numa mansão no Bairro Aviário, anexa a um casarão unde morou o empresário Roberto Moura e, hoje, reside uma das netas. A causa da morte não foi informada.

O pólo ativo da ação, que exige divisão equitativa dos bens e tenta destituir o empresário Marcello Moura do controle das empresa, é composto por cinco familiares, incluindo a viúva de Roberto e o filho mais novo dele.

O pólo passivo da ação tem o empresário Marcello <oura e duas irmãs, acusados por desvio de patrimônio familiar.

A ação corre na 2ª Vara Cível, cuja titular é a juíza Olívia Maria Ribeiro.

????????????????????????????????????

Em 2018, a Junta Comercial do Acre atendeu a uma ordem judicial para remover 50% das cotas da Holding Recol Participações que estavam em nome do empresário Marcelo Moura. A Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Acre entendeu que a doação das cotas, feitas por Marcello, estava envolta a manipulação contra a matriarca da família, dona Raimunda Alves de Souza.

A idosa, com isso, passou a deter 99% das ações do império;

Á época, a  reportagem do acjornal publicou a íntegra da decisão que vem assinada pelos desembargadores Eva Evangelista, Laudivon Nogueira e Júnior Alberto. Foi a primeira grande derrota de Marcello, que enfrenta processo paralelo em que é acusado de desviar patrimônio familiar.

O Ministério Público entendeu que dona Raimunda Alves foi usada como “testa de ferro” numa alteração contratual em que o empresário passou a deter maioria societária. Embora idosa, os promotores assinalaram que ala foi cúmplice num esquema para ocultação de patrimônio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui