No menu items!
23 C
Rio Branco
sexta-feira, outubro 30, 2020

Justiça erra ao condenar Assembléia Legislativa do Acre a indenizar filha de Chico Mendes: “nunca trabalhei lá”

Últimas

Pesquisas eleitorais bancadas por institutos crescem em meio a suspeitas de fraudes. Conheça as histórias

Fonte: O Globo Enquanto os olhos do TSE estão voltados para o combate à desinformação, um esquema capaz de influenciar os resultados eleitorais cresce a...

Assembléia Legislativa decreta Ribamar Trindade o novo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado

A mesa diretora da Aleac, por meio de decreto legislativo, referendou o nome do secretário da Casa Civil, Ribamar Trindade, para o cargo vitalício...

CCJ da Aleac aprova Ribamar Trindade para conselheiro do Tribunal de Contas. Plenário fará última votação

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembléia Legislativa aprovou há pouco o nome do secretário da Casa Civil, Ribamar Trindade, para o...

Pesquisas não refletem o que sentimos nas ruas, diz Jarbas Soster

O empresário Jarbas Soster se disse surpreso com  as pesquisas publicadas nos últimos dias em Rio Branco. O candidato diz confiar muito mais na...

Instituto que dá vitória a Fagner Sales em CZS registrou 39 pesquisas em 6 cidades do país para ouvir eleitores em 2 dias. Justiça...

O Instituto AR7 Pesquisa de Opinião e Consultoria Estatística, contratada para aferir a intenções de votos em Cruzeiro do Sul, registrou outras 39 pesquisas...

O Tribunal de Justiça teria incluído indevidamente a Assembléia Legislativa do Acre como ré numa ação movida por Elenira Gadelha Bezerra Mendes, filha do ambientalista assassinado Chico Mendes.

Elenira moveu processo contra o Estado do Acre, que não lhe pagou por direitos trabalhistas.

Ela foi comissionada na Secretaria de Turismo durante o governo Tião Viana (PT).

A sentença saiu no Diário Eletrônico do TJ-AC, edição desta quarta-feira, e manda o Estado e a Aleac a pagarem o equivalente a mais de R$ 9 mil.

O processo é de 2020 e as verbas rescisórias incluem gratificações natalinas, percentuais de férias e outros direitos (veja abaixo).

Elenira  falou à reportagem do acjornal, na tarde desta quarta-feira, e disse que “pode ter havido algum erro de publicação.

“Eu não trabalhei na Assembléia Legislativa. Inclusive tenho em mãos a sentença do juiz, e ela está correta. Quem me devia era o Estado”, relatou.

O erro, segundo Elenira, pode ter sido do Diário da Justiça.

A reportagem não conseguiu contato com a assessoria do TJ.

Mas garante espaço para possíveis explicações.

 




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui