No menu items!
32 C
Rio Branco
quarta-feira, outubro 21, 2020

Imunidade adquirida contra o coronavírus tem vida curta, sugere estudo

Últimas

Jarbas Soster reafirma compromisso com servidores públicos de Rio Branco

Na tarde desta quarta-feira, 21, o candidato a prefeitura de Rio Branco, Jarbas Soster, participou de uma reunião com a diretoria do Sindicato dos...

Caso Jonhliane: Ícaro e Alan viram réus, irão a júri popular e podem pegar até 30 anos cada

O fisioterapeuta Ícaro José da Silva Pinto e o estudante Araújo de Lima passaram da condição de acusados para réus no processo que apura...

Médico diz pra Rocha pedir pra “cagar”, renunciar e largar os privilégios do governo. “Quer enganar a quem”?

O médico Luciano Carioca perdeu a paciência com o vice-governador Major Rocha. Ele se sentiu incomodado com os ataques do militar ao governo e...

Coação e constrangimento: Estação Vip penaliza vigilantes e ameaça demitir quem não votar no candidato do coronel Ulisses

Os 250 vigilantes que trabalham na Estação Vip estão intimados a votar no instrutor de tiros Júlio Veras, candidato a vereador da capital. A...

Cruzeiro do Sul: sargento Adonis assume compromisso com taxistas

O candidato pela coligação “A Verdadeira Mudança”, Sargento Adonis, reuniu-se com taxistas na sede do sindicato, no Bairro da Baixa, na noite desta terça-feira...

A imunidade adquirida contra o Sars-CoV-2, vírus que causa a Covid-19, tem vida realmente curta, sugere um dos mais alentados estudos já realizados sobre o tema. A pesquisa analisou coronavírus similares ao Sars-CoV-2 e tem implicações para vacinas e a chamada imunidade coletiva (de rebanho).  Os cientistas descobriram que a reinfecção por um mesmo coronavírus de resfriado — os chamados coronavírus sazonais — é comum menos de um ano após a infecção original.

Publicado na Nature Medicine nesta segunda-feira, o estudo é da Universidade de Amsterdam, na Holanda. É de autoria de um dos grupos do mundo com maior experiência em pesquisas com os vírus da família do coronavírus.

O tamanho da duração da imunidade adquirida é uma questão crucial para avaliar o risco de novas ondas da pandemia. A descoberta reforça que as vacinas precisam ser capazes de proporcionar uma memória de defesa prolongada do sistema imune.

A virologista Clarissa Damasso, da UFRJ, no entanto, afirma estar otimista de que a reinfecção pelo Sars-CoV-2 não será um obstáculo para as vacinas. Ela podera que a possibiilidade de reinfecção precisa ser melhor estudada.

— Para vacina, a reinfecção pode até ser que ajude, porque dará uma espécie de reforço para a memória do sistema de defesa. Ela pode levar o corpo a produzir ainda mais anticorpos, seria como uma pequena dose imunizante, lembrando o sistema de defesa de que é preciso produzir anticorpos porque há vírus em circulação.

Os quatro coronavírus causadores de resfriado comum são conhecidos por siglas: NL63, 229E, OC43 e HKU1. Como causam doença leve e corriqueira, não chamam a atenção. Mas a reinfecção é esperada e frequente, informa o estudo, que analisou dados de dez pessoas acompanhadas por 35 anos.

À frente do estudo hoalndês, a virologista Lia van der Hoek disse estar convencida de que as características da resposta defesa são representativas para todos os tipos de coronavírus, incluindo o Sars-CoV-2.

A descoberta só foi possível porque o grupo de Van der Hoek faz um acompanhamento de longo prazo dos coronavírus sazonais. Eles analisaram 513 amostras de soro coletadas em intervalos regulares desde 1980. As amostras foram tiradas de dez homens e o objetivo inicial era estudar os coronavírus de resfriado.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui