No menu items!
26 C
Rio Branco
terça-feira, outubro 27, 2020

Quem atenta contra as normas de segurança alia-se à Covid no “ataque” à saúde pública e à Nação

Últimas

Jornalista afirma que assessores de Jéssica Sales também espalham Fake news para atacar governador Gladson Cameli

Leandro Altheman, jornalista na região do Juruá, costuma fazer publicações contra o que chama de velha política. O jornalista afirma que as fakenews contra o...

Novos talentos: jornalista promove incentivo e premiação para crianças

A jornalista e apresentadora do canal ARTISTA EM FOCO, no YouTube, Katiussi Melo, organizou uma programação especial nesse mês de outubro, em comemoração ao...

Polícia Federal usará drones para fiscalizar eleições no Acre

A Polícia Federal usará DRONES durante as eleições a fim de auxiliar os policiais na prevenção e repressão de crimes eleitorais. Visando aumentar a segurança...

Além de amantes, prefeito Bira, de Xapuri, paga comissionados fantasmas que fazem Medicina na Bolívia

Além de duas supostas amantes do prefeito Bira Vasconcelos, pelo menos quatro estudantes de Medicina na Bolívia estariam incluídos na lista de funcionários fantasmas. Eles...

No PSL do Acre, candidato com mais potencial recebe mais fundo partidário

Se engana quem pensar que o candidato mais pobre terá maior repasse do fundo partidário para tocar sua campanha. Esse critério passou longe das...

Com mais de 105 mil mortes no total, cerca de mil óbitos e 45 mil novos casos por dia, a Covid-19 segue ameaçando de modo grave a saúde pública, os brasileiros e a economia do País, que, segundo a prévia do PIB, divulgada em 14 de agosto pelo Banco Central, teve queda de 10,94% no segundo trimestre, caminhando para a recessão técnica. Nesse contexto, com o contágio ainda acelerado na maioria dos Estados e em algumas das mais populosas cidades, é desolador observar crescente descuido com as medidas preventivas.

Nas minhas poucas e essenciais saídas do isolamento social – ainda imprescindível para os maiores de 60 anos – e nos relatos que recebo de familiares e colaboradores de nosso grupo, de distintas regiões, constata-se número cada vez maior de pessoas sem máscara nas ruas, praças, pistas de caminhadas e corridas nos canteiros centrais das avenidas, ciclovias e até dentro de estabelecimentos comerciais.

Nota-se ser decrescente o uso de álcool em gel na entrada e corredores de shoppings, supermercados e grandes lojas, bem como descumprido o distanciamento de 1,5 metro entre frequentadores, embora os estabelecimentos estejam adotando rigorosamente os protocolos de segurança. A questão é que muitos indivíduos ainda parecem colocar-se acima do bem e do mal, como se fossem imunes e, pior do que isso, como se o seu desleixo não pusesse em risco a vida de outros. Muitas vezes, quando abordados por seguranças ou pessoas de boa vontade, reagem com arrogância e truculência, como às vezes são flagrados em vídeos que viralizam nas redes sociais.

Tais observações não resultam de pesquisa com bases técnicas de amostragem e tabulação, mas é visível a olho nu, inclusive nas matérias da mídia, o desrespeito às medidas preventivas, nos espaços públicos e comerciais, incluindo aglomerações noturnas nas calçadas de bares, em distintas cidades. Quem atenta contra as normas de segurança alia-se ao novo coronavírus no “ataque” à saúde pública e à Nação.

Tal negligência é uma desconsideração com o próximo e, mais ainda, com os milhares de brasileiros que, desde o início da pandemia, estão na linha de frente da guerra contra o inimigo invisível. Refiro-me aos profissionais da saúde, produtores, mulheres e homens do campo, o pessoal das redes de abastecimento de alimentos, bens básicos, remédios e combustíveis – da distribuição à ponta do consumo -, policiais, entregadores, varredores de rua e coletores de lixo, cientistas e pesquisadores, caminhoneiros e todos os trabalhadores dos transportes de passageiros e cargas.

Cabe ressaltar que cerca de 26% dos servidores do sistema médico-hospitalar da cidade de São Paulo já contraíram a Covid-19. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, dos 90 mil profissionais, 23.679 foram infectados, até julho de 2020, e 45 faleceram em decorrência da doença. Este exemplo é emblemático quanto ao significado e valor do contingente de heróis anônimos que, com risco próprio e de suas famílias, está mantendo a população viva e segurando minimamente o nível de atividade, que já teria entrado em rota insustentável não fosse seu trabalho e luta.

Num alarmante contraste, assistimos à negligência de milhares de pessoas, que, aos desrespeitarem os protocolos de prevenção, conspiram contra a própria saúde, de suas famílias, a vida e a economia. Parecem banalizar as estatísticas e a tristeza pelo elevado número de mortes e demonstram não entender que precisamos barrar a onda de contágio para a retomada plena dos negócios e resgate dos mais de 13 milhões de desempregados.

Sim, a máscara caiu dos rostos de numerosos brasileiros, desnudando a face de uma pátria constrangida. Não há mais como esconder: precisamos de um choque de educação e civismo. A epidêmica carência de cidadania compromete nosso desenvolvimento.

*João Guilherme Sabino Ometto, engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos – EESC/USP), empresário, é membro da Academia Nacional de Agricultura (ANA).




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui