No menu items!
24 C
Rio Branco
sexta-feira, outubro 23, 2020

Três ex-prefeitos do Acre são condenados no processo da Operação Labor

Últimas

DCE da Ufac e UMES/AC promovem debate com os candidatos a prefeito de Rio Branco

DCE da Ufac e UMES/AC promovem debate com os candidatos a prefeito de Rio Branco Estabelecer um diálogo político com a academia. Esse é o...

Dez servidores da Aleac são afastados da vida pública em operação da PF por “rachadinha”, contratação de fantasmas e fraude em contratos de publicidade

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (22), a “Operação Res Principis” na capital acreana, Rio Branco, e em Chopinzinho, no interior do Paraná, visando...

PF faz buscas na Assembleia Legislativa do Acre e apreende documentos em empresa terceirizada

A Polícia Federal amanheceu cumprindo ordens judiciais para busca e apreensão em Rio Branco. A empresa Maia e Pimentel é uma das investigadas. A...

 Prefeito petista de Xapuri manda única retroescavadeira para fazenda de amigo e município leva prejuízo de R$ 500 mil

 Uma retroescavadeira avaliada em quase meio milhão de reais, pertencente à Prefeitura de Xapuri, teria ficado inoperante ao cair de uma ponte, dentro de...

Advogado Lázaro Barbosa promete, se eleito, desmontar em 3 meses o esquema das empresas de ônibus em Rio Branco

O candidato a Vereador Lázaro Barbosa, jornalista e advogado, apresentou nas suas redes sociais uma proposta que está repercutindo bastante, destinada a baixar o...

Os ex-prefeitos de Brasiléia Aldemir Lopes da Silva e Everaldo Gomes Pereira da Silva e, o ex-gestor de Plácido de Castro Roney de Oliveira Firmino foram condenados a mais de 20 anos de prisão.
A decisão é do Juiz Clovis de Souza Lodi da Comarca de Brasiléia. A sentença foi proferida no sábado, 3.
Os réus foram condenados por comandaram uma organização criminosa, que tinham por finalidade desviar recursos públicos.
Entre os três ex-prefeitos Everaldo Gomes recebeu a maior pena: 10 anos e 2 meses de prisão em regime fechado.
Aldemir Lopes foi sentenciado a 6 anos e 2 meses e Roney Firmino a 4 anos e 8 meses, ambos em regime semiaberto.
Na mesma decisão o magistrado também condenou o ex-secretário de finanças da prefeitura de Brasiléia Jackon Aroldo Batista Pessoa a 7 anos e 8 meses, o contador Josué Willian Andrade a 5 anos e 8 meses de prisão, o ex-vereador Joelson Pontes 5 anos 8 meses e , ainda José Araújo da silva a 4 anos e 8 meses de prisão.
Os réus foram sentenciados ainda a pagar uma indenização ao município de Brasileia no valor de R$ 1.203.384, 64.
OPERAÇÃO LABOR – Os ex-prefeitos foram presos preventivamente em setembro de 2017, durante a 4ª fase da Operação Labor, batizada de Dolos-aparte.
Na época a ação foi deflagrada pela Polícia Federal para cumprir 37 ordens judicias em Brasiléia e Rio Branco.
A operação investigava uma organização criminosa formada por empresários e agentes políticos suspeitos de fraudar licitações.
A investigação da Polícia Federal teve início em 2015, após uma denúncia, onde uma empresa de fornecimento de mão de obra terceirizada foi contratada pela prefeitura de Brasiléia, mas não prestava serviço, embora recebesse.
O mesmo esquema criminosa foi implantada na Prefeitura de Plácido de Castro na gestão de Roney Firmino.
Todos os sentenciados na decisão do juiz Clovis Lode poderão recorrer a uma instância superior em liberdade.
O magistrado entendeu que não existem fundamentos para decretar as prisões preventivas.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui