No menu items!
26 C
Rio Branco
terça-feira, outubro 27, 2020

Covid: morre no DF, aos 60 anos, o jornalista Edinho, da velha guarda da imprensa acreana

Últimas

Jornalista afirma que assessores de Jéssica Sales também espalham Fake news para atacar governador Gladson Cameli

Leandro Altheman, jornalista na região do Juruá, costuma fazer publicações contra o que chama de velha política. O jornalista afirma que as fakenews contra o...

Novos talentos: jornalista promove incentivo e premiação para crianças

A jornalista e apresentadora do canal ARTISTA EM FOCO, no YouTube, Katiussi Melo, organizou uma programação especial nesse mês de outubro, em comemoração ao...

Polícia Federal usará drones para fiscalizar eleições no Acre

A Polícia Federal usará DRONES durante as eleições a fim de auxiliar os policiais na prevenção e repressão de crimes eleitorais. Visando aumentar a segurança...

Além de amantes, prefeito Bira, de Xapuri, paga comissionados fantasmas que fazem Medicina na Bolívia

Além de duas supostas amantes do prefeito Bira Vasconcelos, pelo menos quatro estudantes de Medicina na Bolívia estariam incluídos na lista de funcionários fantasmas. Eles...

No PSL do Acre, candidato com mais potencial recebe mais fundo partidário

Se engana quem pensar que o candidato mais pobre terá maior repasse do fundo partidário para tocar sua campanha. Esse critério passou longe das...

O jornalista Edson Luiz morreu nesta quarta-feira (8/10), aos 60 anos, vítima de covid-19, informou o Correio Braziliense. O jornalista foi editor em alguns dos principais jornais do Acre, na década de 80, e mereceu homenagem do colega Altino Machado, em post com imagem memorável da redação de O Rio Branco àquela época.

Abaixo a notícia dada pelo Correio:

Grande nome do jornalismo brasileiro, foi internado há um mês com problemas no fígado e rins. No hospital, testou positivo para o novo coronavírus e a situação agravou-se. Há um dia, sofreu infarto, o colapso dos órgãos vitais se agravou e o quadro ficou insustentável.

Conhecido como Edinho, o jornalista fez história em diferentes veículos, como EstadãoO Globo e Correio Braziliense, entre outros. “É uma perda não só para o jornalismo brasiliense, mas para o nacional também. Ele era um sujeito que brilhou tanto quanto assessor que foi durante muitos anos no Ministério da Justiça, quanto repórter”, ressalta o amigo e fotógrafo Orlando Britto.

Amigo para todas as horas, profissional de primeira, Edson deixa seu legado: “Ele realmente era um sujeito querido, sereno, preciso. Conhecia muito o tema de segurança pública, ecologia. Brilhou intensamente enquanto trabalhou nessa área. É uma perda imensurável para nós, jornalistas, amigos e colegas”, lamenta o amigo.

Devido à covid-19, a despedida do jornalista será à tarde, em cerimônia para familiares no cemitério Campo da Esperança.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui