No menu items!
29 C
Rio Branco
domingo, novembro 29, 2020

Suposta amante do prefeito de xapuri que recebe salários sem trabalhar exclui rede social e some do mundo da ostentação

Últimas

Canalhice: Militantes de Bocalom disparam vídeo de 2018 com Gladson pedindo voto para o 11

Mesmo com todo discurso de rigor anunciado pela justiça eleitoral do Acre, o segundo turno da eleição em Rio Branco se transformou na guerra...

Cientista avalia revés de Bocalom e subida repentina de Socorro Neri. Como será o amanhã?

O professor e cientista político Nilson Euclides da Silva entende que a prefeita Socorro Neri poderia vencer as eleições deste domingo se houvesse ao...

BMW assassina: desembargador nega pedido de Ícaro para substituir homicídio por crime de trânsito

A defesa do fisioterapeuta Ícaro José da Silva Pinto, denunciado pelo assassinato da jovem Johliane Paiva, sofreu mais uma derrota na Justiça. O advogado...

Eleições 2020: antes de sair de casa, consulte seu local de votação

Neste domingo, 29, antes de sair de casa, o eleitor de Rio Branco pode consultar o local onde deverá votar. O endereço está disponível...

Tião Viana é elogiado por salvar a vida de anônimos e famosos no Acre

Tão logo deixou o governo do estado em dezembro de 2018, o médico Tião Viana retomou suas atividades nos plantões médicos. O governador que saiu...

Poucos minutos após a publicação da reportagem do Acjornal, na noite da última sexta-feira, dando conta do andamento de uma investigação secreta da Delegacia de Combate à Corrupção e Crimes do Colarinho Branco para apurar denúncias da existência de funcionários fantasmas na administração municipal de Xapuri (AC) a jovem Ana Carla Oliveira, apontada como uma das que ganhavam sem trabalhar por ser eventual amante do prefeito Bira Vasconcelos, desativou suas redes sociais e desapareceu do mundo de ostentação em que vivia na internet.

Antes ela apagou todas as postagens que havia feito mostrando os restaurantes e balneários luxuosos que costumava frequentar na região de tríplice fronteira do Estado do Acre com a Bolívia, onde mora na cidade de Brasiléia.

A moça deu sumiço, também, nas fotos dos modelitos de grifes caras com os quais frequentava as baladas no país vizinho e fazia questão de exibir nas redes sociais com legendas de desprezo a quem não tem condições financeiras de usar roupas iguais.

Quem tentou acessar o perfil de Ana Carla no Facebook, nesse final de semana só encontrou a foto da capa e uma mensagem deixada por ela ressaltando sua devoção a Deus.

“Amar a Deus sobre todas as coisas” escreveu ela para mais de mil seguidores.

A policia apura a veracidade da informação de que a vida de luxo que a jovem fazia questão de mostrar na internet é sustentada por um esquema de corrupção instalado dentro da prefeitura de Xapuri que inclui contratação de funcionários fantasmas, desvio de finalidade contratual de servidores públicos, falsificação de documentos oficiais e pagamento indevido de diárias.

O nome de Ana Carla, e o de outra moça, identificada como Átila Ferreira de Araújo, aparecem no diário oficial do município de Xapuri como funcionárias nomeadas pelo prefeito Bira Vasconcelos em cargos comissionados para trabalharem em funções de alta confiança na gestão pública municipal.

No entanto, as duas nunca teriam comparecido ao local de lotação funcional para dar expediente e fazer jus aos altos salários que estariam recebendo.

Além de Ana Carla e Átila Araújo existiria, ainda, uma dezena de apadrinhados políticos do prefeito Bira Vasconcelos que estariam ganhando gordos salários sem trabalhar.

Alguns, são correligionários partidários do prefeito petista e estariam cursando faculdade de Medicina no estrangeiro com o dinheiro que ganham no Brasil.

As informações são baseadas na denúncia, mediante apresentação de provas matérias, que geram a abertura da investigação policial em curso pelo delegado Pedro Resende para apurar a veracidade dos fatos.

Bira Vasconcelos postou uma Nota de repúdio em sua página pessoal na internet, na manhã do último sábado, alegando estar sendo caluniado pela oposição.

Mas, passado 24 horas e a Nota de Repúdio não ter sido, ainda, enviada à editoria de reportagens do Acjornal, nosso setor jurídico entende que o gestor público não teria tido interesse em fazer uso do direito, constituído, dele apresentar sua versão dos fatos.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui