No menu items!
23 C
Rio Branco
sexta-feira, dezembro 4, 2020

Deputado Manoel Moraes também é alvo; empresa controlada pelo filho recebeu R$ 10 milhões em depósitos em dinheiro vivo

Últimas

Nicolau Junior parabeniza Ronald Polanco pela presidência do Tribunal de Contas do Acre

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (Progressistas), em nome da mesa diretora e todos os deputados, parabenizou o novo...

Bocalom, o todo poderoso da vez, não emplaca o Produzir Para Empregar se não quiser

O jornalista Altino Machado e o ex deputado Luiz Calixto lembram o invejável rol de apoiadores de Bocalom, em comentários bem festejarmos na rede...

Ismael Tavares pode ser o novo presidente do Podemos em Rio Branco.

Filiado no PODEMOS-AC, Ismael Tavares é o preterido do Vereador eleito Arnaldo Barros para presidente do diretório municipal do partido em Rio Branco. Ele...

Inimigo da educação: Bolsonaro enfraquece Fundeb e professores ficarão sem reajuste em 2021

A Portaria interministerial 3, do governo Bolsonaro, que altera a gestão do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos...

“ Musa Fitness do crime” volta às redes sociais, cita Deus, vira ré e fica frente a frente com juiz

Presa em flagrante no dia 26 de agosto deste ano pelo crime de tráfico de drogas, Ivanna Alencar de Souza, que ficou conhecido como...

O deputado Manoel Moraes (PSB) é o segundo parlamentar alvo da operação da Polícia Federal deflagrada na manhã desta quinta-feira (29). O parlamentar estás proibido de se comunicar com as demais partes acusadas, dentre outras medidas cautelares, por ordem do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O presidente da Aleac, Nicolau Júnior (PP), também deve se afastado. Ambos os parlamentares estão proibidos de entrar na Aleac a partir desta data.

Um assessor parlamentar efetuou dezenas de depósitos em espécie na conta de uma das empresas investigadas, em valores que ultrapassaram R$ 10 milhões. Entre os sócios da empresa está um familiar direto de Manoel Moraes ao qual o servidor é vinculado. O filho do deputado, empresário Cristian da Silva Sales, é alvo da PF também. Ele já era alvo da Operação Mitocôndrias, da Polícia Civil, que investiga o desvio de recursos da merenda escolar no Acre.

A Operação DIRTY SAFE, em Cruzeiro do Sul/AC, na capital Rio Branco e em Manaus/AM, visa desarticular uma suposta organização criminosa que, de forma estruturada, praticava os crimes de lavagem de dinheiro, peculato, corrupção passiva e ativa, no âmbito da Assembleia Legislativa do estado do Acre. A operação visa coletar novos elementos de provas que possam corroborar, ratificar ou alterar as hipóteses criminais traçadas no decorrer da investigação.

Mais de 50 policiais federais participam da operação no cumprimento de 22 mandados judiciais, sendo 13 de busca e apreensão, 04 de medidas cautelares substitutivas à prisão em desfavor de 02 Deputados Estaduais e 02 empresários, além de 02 mandados de afastamento cautelar do cargo público, dentre eles o afastamento do atual Presidente da Assembleia Legislativa do Acre-ALEAC.

O nome da Operação Policial – DIRTY SAFE – faz alusão direta ao material apreendido no interior de COFRE na casa de Nicolau na Operação Acúleo, em 11/09/2020.

Através da análise do conteúdo do cofre, foi possível identificar a atuação da suposta organização criminosa, com nítida divisão de tarefas entre seus integrantes e modo de agir sistematizado, que se utilizava da máquina pública e a interposição de pessoas para consecução de seus objetivos, incluindo a contratação de funcionários-fantasmas e do desvio de recursos públicos por intermédio de empresas privadas. Essa mesma estrutura também seria empregada na realização de atos de ocultação, dissimulação de movimentação, da origem e destino de valores, sendo chefiada, em tese, pelo atual chefe do Poder Legislativo do Acre.

 

De igual modo, um dos sócios de uma outra pessoa jurídica investigada, que possui diversos contratos públicos, realizou mais de 250 depósitos em espécie na conta de sua empresa, grande parte de tais operações apresentam o valor de R$ 99 mil, caracterizando dessa forma, uma clara tentativa de se evitar que as transações fossem comunicadas a Unidade de Inteligência Financeira do Brasil (antigo COAF).

O total de depósitos em espécie durante o período analisado alcança o expressivo montante de aproximadamente R$ 30.000.000,00 (trinta milhões de reais).

A Polícia Federal continuará a investigação e apuração, na tentativa de elucidar a real amplitude da suposta organização criminosa, bem como identificar o grau de participação de cada um dos envolvidos.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui