No menu items!
23 C
Rio Branco
quinta-feira, dezembro 3, 2020

Após reabrir templos e ser denunciado por desobediência civil, líder da Assembléia de Deus no Acre vai para UTI com Covid

Últimas

Nicolau Junior parabeniza Ronald Polanco pela presidência do Tribunal de Contas do Acre

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (Progressistas), em nome da mesa diretora e todos os deputados, parabenizou o novo...

Bocalom, o todo poderoso da vez, não emplaca o Produzir Para Empregar se não quiser

O jornalista Altino Machado e o ex deputado Luiz Calixto lembram o invejável rol de apoiadores de Bocalom, em comentários bem festejarmos na rede...

Ismael Tavares pode ser o novo presidente do Podemos em Rio Branco.

Filiado no PODEMOS-AC, Ismael Tavares é o preterido do Vereador eleito Arnaldo Barros para presidente do diretório municipal do partido em Rio Branco. Ele...

Inimigo da educação: Bolsonaro enfraquece Fundeb e professores ficarão sem reajuste em 2021

A Portaria interministerial 3, do governo Bolsonaro, que altera a gestão do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos...

“ Musa Fitness do crime” volta às redes sociais, cita Deus, vira ré e fica frente a frente com juiz

Presa em flagrante no dia 26 de agosto deste ano pelo crime de tráfico de drogas, Ivanna Alencar de Souza, que ficou conhecido como...

O pastor Luiz Gonzaga, líder da Igreja Assembléia de Deus no Acre, foi internado nesta segunda-feira, 2, no Instituto de Traumatologia e Ortopedia de Rio Branco (INTO) com covid-19. O pastor precisou ser entubado.

Gonzaga teria vinha fazendo o tratamento em casa. Mas seu quadro clínico teve piora e os médicos recomendaram a internação imediata.

A Igreja Assembléia de Deus ainda não se manifestou sobre o caso. O assunto vinha sendo tratado com sigilo total, já que a Igreja foi alvo de polemica, após denuncia do Ministério Público Estadual de que a congregação descumpre os protocolos de contenção à Covid, abrindo seus templos e contrariando o decreto governamental.

Atendendo ao pedido formulado pelo Ministério Público Federal (MPF) e pelo Ministério Público do Estado do Acre (MP/AC), o Juízo da 2ª Vara de Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco concedeu liminar determinando que a Igreja Evangélica Assembleia de Deus e o pastor Luiz Gonzaga de Lima se abstenham de realizar reuniões, encontros, cultos ou qualquer outro tipo de atividade no âmbito da igreja e de suas filiais, enquanto permanecerem vigentes as disposições dos decretos governamentais relacionados às medidas de enfrentamento da covid-19.

Em ação conjunta, o MPF e o MP/AC ingressaram com ação judicial em 8 de julho contra a Igreja Assembleia de Deus de Rio Branco, por desobedecer às determinações do Decreto Estadual 5.496, que instituiu medidas para o enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da covid-19, entre as quais a realização de eventos religiosos em templos ou locais públicos, e a aglomeração de pessoas.

Assinada pelo procurador da República Lucas Costa Almeida Dias e pelo promotor Glaucio Ney Shiroma Oshiro, titular da Promotoria Especializada de Defesa da Saúde, a ação foi motivada pela denúncia veiculada pela imprensa e confirmada pela própria entidade religiosa de que esta teria promovido encontros, inclusive com a presença do pastor presidente da igreja, que reuniram cerca 120 pessoas, em 18 e 19 de junho de 2020.

Na decisão, a juíza de direito Zenair Ferreira Bueno destaca que as regras de distanciamento previstas no decreto estadual encontram-se ainda em pleno vigor e que o estado do Acre permanece atualmente na fase amarela do chamado Pacto Acre sem Covid, demandando atenção das autoridades e da população.

Além da proibição da realização dos cultos e outras atividades durante as disposições do decreto, a magistrada também determina que o município de Rio Branco adote providências para garantir a não realização de eventos de qualquer natureza com aglomeração de pessoas enquanto permanecerem vigentes as disposições dos decretos governamentais que tratam da matéria.

Por fim, estabelece multa de R$ 10 mil para cada caso concreto de descumprimento injustificado da decisão, limitados à quantia de R$ 50 mil.




- Advertisement -

Mais notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui